sexta-feira, 19 de junho de 2009

Duas rapidinhas sobre História!

1) Os preconceituosos metidos a historiadores de hoje só vêem atraso e maldade na Idade Média Cristã - como se nossa época, dos campos de concentração e dos híbridos humanos-animais fosse a melhor de todas! Falamos em Idade Média, e logo vêm eles cuspindo e vomitando aqueles mesmo clichês que todos já estamos cansados de ouvir: "Atraso... Obscurantismo... Fogueiras... Morte... Fogueiras... Obscurantismo... Fogueiras..." É impossível debater com essa gente que botou viseira de burro no que se refere a Idade Média. Mas isso é só mais uma das faces do preconceito genralizado contra a Igreja - aí, sim, preconceito mesmo! O Jorge Ferraz publicou no Deus lo vult! um ótimo texto sobre as fogueiras da Idade Média que eu indico com o maior prazer aos leitores do En Garde! Indispensável a leitura do artigo do Jorge.

2) Os preconceituosos de hoje têm o outro bode expiatório de sua libido perniciosa, que é o Papa Pio XII, injustamente acusado de ser um mebro do Exército de Hitler na medida em que teria sido cúmplice de suas ações contra os judeus, silenciado ante os campos de concentração. Mentira fajuta! O próprio Albert Eisntein e Golda Meir na época mesma reconheceram e agradeceram prontamente o esforço paternal de Pio XII na ajuda dos judeus. Pio XII salvou milhares de judeus dos nazistas, num trabalho diplomático silencioso, sem armas e sem balbúrdias, sem bombas e tanques. Acusar Pio XII de ser o "Papa de Hitler" é uma das piores calúnias que alguém pode proferir contra esse grande homem. Mas, para os caluniadores, indico-lhes a notícia que acaba de sair em Zenit.org, sobre os planos de Hitler para seqüestrar e matar Pio XII. Sim! O Führer planejou o seqüestro e o assassinato do Papa: Pio XII era odiado por Hitler por ser um grande inimigo do nazismo. Os planos foram revelados pela primeira vez no Julgamento de Nuremberg, em 1946 - incompreensível como até hoje acusam Pio XII de ter sido cúmplice, portanto. Vai entender a burrice de algumas pessoas... Leiam a notícia!

En Garde, soldat!

Carta do Cardeal Ottaviani sobre o Concílio Vaticano II

O Cardeal Ottaviani é o mesmo que - junto ao Cardeal Bacci - escreveu aquela carta sobre alguns pontos da Missa Nova do Papa Paulo VI, que os radicais tradicionalistas anti-Vaticano II tanto usam para atacar a Forma Nova do Rito Romano (apesar do próprio Cardeal Ottaviani ter lamentado esse uso ilegítimo de sua carta ao Romano Pontífice).

Meu diletíssimo amigo Jorge Ferraz acaba de publicar no Deus lo vult! a transcrição de uma outra carta do Cardeal Ottaviani, em defesa do Concílio Vaticano II e contra os modernistas que o interpretavam erroneamente em favor das heresias - subvertendo seu texto e propositalmente desvinculando-o de toda a Tradição Católica.

Vamos ver se os tradicionalistas radicais vão usar também esta carta do Cardeal Ottaviani (o que é difícil, dado que eles só escolhem o que está a favor de suas idéias anti-Vaticano II).

Segue abaixo a transcrição da Carta, retirada de Deus lo vult!

Boa Leitura!

***

Carta sobre algunas opiniones erróneas en la interpretación de los decretos del Concilio Vaticano II

[Epistula ad Venerabiles Praesules Conferentiarum Episcopalium et ad Superiores Religionum: De nonnullis sententiis et erroribus ex falsa interpretatione decretorum Concilii Vaticani II insurgentibus]

Habiendo promulgado el Concilio Ecuménico Vaticano II, felizmente concluido en fecha reciente, sapientísimos documentos, tanto sobre cuestiones doctrinales, como sobre cuestiones disciplinares, para promover eficazmente la vida de la Iglesia, incumbe a todo el Pueblo de Dios la grave obligación de luchar con todo empeño para que se realice todo lo que, con la inspiración del Espíritu Santo, fue solemnemente propuesto o decretado en aquel amplísimo sínodo de Obispos, presidido por el Romano Pontífice.

A la Jerarquía compete el derecho y el deber de vigilar, dirigir y promover el movimiento de renovación que el Concilio ha comenzado, de modo que los Documentos y Decretos del referido Concilio reciban una recta interpretación y se lleven a efecto con exactitud según la fuerza y el sentido de los mismos. Por tanto, esta doctrina ha de ser defendida por los Obispos, ya que, como tales, gozan de la potestad de enseñar estando unidos con la cabeza de Pedro. Es encomiable el que muchos Pastores del Concilio ya hayan tornado sobre si la obligación de explicarla convenientemente. Sentimos, sin embargo, el que desde diversas partes nos hayan llegado desagradables noticias de como no solo van pululando los abusos en la interpretación de la doctrina del Concilio, sino también de como aquí y allí van surgiendo opiniones peregrinas y audaces, que perturban no poco las almas de muchos fieles. Hemos de encomiar los trabajos o intentos de penetrar más profundamente la verdad, distinguiendo rectamente entre lo que ha de ser creído y lo que es opinable; pero, por los documentos examinados en esta Sagrada Congregación, consta que existen no pocas sentencias que, pasando por alto con facilidad los limites de la simple opinión, parecen afectar un tanto al mismo dogma y a los fundamentos de la fe.

Conviene que expresemos, a modo de ejemplo, algunas de estas sentencias y errores, tal como son conocidas a través de las relaciones de los doctores y de las publicaciones escritas.

1) En primer lugar, nos referimos a la misma Sagrada Revelación: hay quienes recurren a la Sagrada Escritura, dejando a un lado intencionadamente la Tradición, pero coartan el ámbitoo y la fuerza de la inspiración y de la inerrancia, a la vez que piensan equivocadamente acerca del valor de los textos históricos.

2) En lo que se refiere a la doctrina de la Fe, se dice que las formulas dogmáticas han de estar sometidas a la evolución histórica, de tal manera que el sentido objetivo de las mismas queda expuesto a cambios.

3) Se olvida o se subestima el Magisterio ordinario de la Iglesia, principalmente del Romano Pontífice, de tal manera que se relega al plano de las cosas opinables.

4) Algunos casi no reconocen la verdad objetiva absoluta, firme e inmutable, y todo lo exponen a un cierto relativismo, aduciendo el falaz argumento de que cualquier verdad ha de seguir necesariamente el ritmo de evolución de la conciencia y de la historia.

5) Es atacada la misma adorable Persona de Nuestro Señor Jesucristo, cuando, al reflexionar sobre la cristología, se utilizan tales conceptos de naturaleza y de persona, que apenas pueden conciliarse con las definiciones dogmáticas. Se insistía un cierto humanismo por el que Cristo es reducido a la condición de simple hombre, que fue adquiriendo poco a poco conciencia de su filiación divina. Su concepción virginal, sus milagros y su misma Resurrección se conceden de palabra, pero a menudo se reducen a un mero orden natural.

6) Igualmente, al tratar de la teología de los Sacramentos, algunos elementos son ignorados o no se les presta la suficiente atención; sobre todo, en lo que se refiere a la Santísima Eucaristía. No faltan quienes discuten acerca de la presencia real de Cristo bajo las especies de pan y de vino, defendiendo un exacerbado simbolismo, como si el pan y el vino no se convirtiesen en el Cuerpo y la Sangre de Nuestro Señor Jesucristo por la transubstanciación, sino que simplemente fuesen empleados como cierta significación. Hay quien insiste más en el concepto de agape con respecto a la Misa, que en el de Sacrificio.

7) Algunos desean explicar el Sacramento de la Penitencia como un medio de reconciliación con la Iglesia, sin explicar suficientemente la reconciliación con Dios ofendido. Pretenden que, al celebrar este Sacramento, no sea necesaria la personal confesión de los pecados, sino que solo se preocupan de expresar la función social de reconciliación con la Iglesia.

8) No faltan quienes menosprecian la doctrina del Concilio de Trento acerca del pecado original o quienes la interpretan oscureciendo la culpa original de Adán, o, al menos, la transmisión del pecado.

9) No son menores los errores que se hacen circular en el ámbito de la teología moral. En efecto, no pocos se atreven a rechazar la razón objetiva de la moralidad; otros no aceptan la ley natural y defienden, en cambio, la legitimidad de la llamada moral de situación. Se propagan opiniones perniciosas acerca de la moralidad y de la responsabilidad en materia sexual y matrimonial.

10) A todos estos temas hemos de añadir una nota sobre el Ecumenismo. La Sede Apostólica, ciertamente, alaba a todos los que en el espíritu del Decreto Conciliar sobre el ecumenismo promueven iniciativas para fomentar la caridad con los hermanos separados y atraerlos a la unidad de la Iglesia; pero lamenta que no faltan quienes, interpretando a su modo el Decreto Conciliar, exigen una acción ecuménica que va contra la verdad, así como contra la unidad de la Fe y de la Iglesia, fomentando un peligroso irenismo e indiferentismo, que es totalmente ajeno a la mente del Concilio.

Esparcidos por aquí y por allá esta clase de errores y peligros, los presentamos recogidos sumariamente en esta carta a los Ordinarios de lugar, para que cada uno, según su cargo y oficio, cuide de frenarlos y prevenirlos.

Este Sagrado Dicasterio ruega encarecidamente que los Ordinarios del lugar traten de ellos en las reuniones de sus Conferencias Episcopales y envíen relaciones a la Santa Sede, aconsejando lo que crean oportuno, antes de la fiesta da la Navidad de Nuestro Señor Jesucristo del año en curso.

Esta Carta, que una obvia razón de prudencia nos impide hacer del dominio publico, ha de ser guardada bajo estricto secreto por los Ordinarios y por todos aquellos a los que con justa causa la enseñen.

Roma, 24 de julio de 1966.
A. Card. Ottaviani

Três artigos meus no Veritatis Splendor

Esta semana três artigos meus estão simultaneamente no Site Veritatis Splendor.

Um é sobre o arrabatamento de Santo Elias: para onde o carro de fogo descrito no Livro dos Reis (II; 2,11) teria levado Elias se antes de Cristo ninguém subiu aos Céus? Curiosidade teólogica, que tentei responder sucintamente neste artigo.

O outro é sobre uma questão teológica mais aguda: os "milagres" em comunidades protestantes. Seriam milagres verdadeiros? Quais as conseqüências teológicas de admitir-se como verdadeiro ou falso um milagre? Aproveito para traçar rapidamente os pontos fundamentais da Doutrina Católica sobre os milagres.

O último, que saiu hoje, já foi publicado aqui no Blog mas indico para novos leitores, sobre o banimento do latim e da filosofia no emburrecimento do brasileiro.

Boa leitura!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Células-tronco nas tubas uterinas - são adultas!

Cientistas brasileiros acabam de noticiar a descoberta de células-tronco de alto potencial para a reconstituição de tecidos nas trompas de Falópio, as famosas tubas uterinas. Esse material, descartado em cirurgias de extração do útero, pode agora ser utilizado para obter células-tronco adultas que, segundo a pesquisa, são capazes de se transformar em células de osso, músculo, cartilagem e gordura. A pesquisa, a carga da Dra. Tatiana Jazedje, foi publicada na revista médica "Journal of Translational Medicine".

São células-tronco, de potencial, adultas e - o mais importante - éticas, pois não matam uma vida humana.

Os cientistas brasileiros precisam entender - em outros países já entenderam - que células-tronco embrionárias são para embriões, não adultos; células-tronco adultas é que são para adultos. Células-tronco embrionárias em adultos causam tumores cancerígenos e não possuem eficácia comprovada - além de que matam uma vida no estágio mais frágil de sua existência.

Mas em favor dos pobres embriões os marxistas revolucionários não falam em opressão! Incoerência das incoerências!


quinta-feira, 11 de junho de 2009

O pior fora que alguém pode levar

Ontem (10/06) fui a uma festa. Festinha pacata, num colégio (por sinal, o colégio que eu estudei, as Lourdinas), com um trio pé-de-serra e uma banda de forró "eletrônico", "travesti de forró", como diz Biliu de Campina.

Convidei váris garotas para dançar e de várias delas recebi um fora. Desanimei-me? Entristeci-me? Óbvio que não.

Uma grande tentação em situações deste tipo é a tentação da covardia. "Não, não vou chegar nem perto daquela garota, porque ela com certeza vai me mandar pastar!" Voltando-se a culpa para a garota - a maquiavélica, dominadora e fútil garota que mandará o rapaz pastar - escondemos nossa própria covardia.

Afinal, como sabemos se vamos receber, realmente, um fora se não convidarmos a menina primeiro? Tal dom de previsão inexiste em mim.

Na verdade, essencial a um homem de verdade, a um varão, é a virtude da coragem. Coragem de arriscar, de ir à luta, de enfrentar aos outros e, principalmente, a si mesmo.

Coragem. Esta é uma palavra-chave na vida de uma homem, uma das virtudes machazas que ele deve cultivar com afinco.

Covardia, em absoluto, não constitui um homem.

O pior fora que um homem pode levar não é o "não" de alguma garota, mas o fora de si mesmo, o voltar-se para si e covardemente dizer: "Não vá! És tão inútil e imbecil que ela com certeza te dará um não!" E aí priva-se até do que não se tem certeza. O pior fora é aquele que se dá em si mesmo.

A recompensa por tê-las tirado para dançar (e ter levado fora de várias delas) foram as garotas que não me deram fora e com quem dancei - lindas garotas.

Já imaginou se tivesse me furtado de convidá-las pensando de antemão que elas me diriam não?

Coragem! Coragem é palavra-chave para qualquer homem.

Nada de foras em si mesmo!

En Garde!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

O uso da palavra "preconceito" é preconceituoso!

Interessantíssima é a análise que Olavo de Carvalho faz do uso da palavra "preconceito" nos dias atuais em uma nota ao Dialética Erística, de Schopenhauer, que indicamos ontem.

Primeiramente, cabe delinear o que é "preconceito". E a própria palavra nos dá a chave: pré-conceito, é um conceito prévio, um julgamento sem provas, um juízo sem razão porque não embasado numa investigação minuciosa, mas apenas numa primeira acepção - geralmente emocional - de algo; um preconceito, no sentido real, diferencia fundamentalmente de alguma opinião desagradável que é, contudo, bastante conceituada, pois pensada, raciocinada, construída com fundamentos e não com emoções cegas, sendo mais um "pós-conceito".

Agora vamos a Schopenhauer e Olavo.

O estratagema nº 12 que Schopenhauer aponta como usado comumente pelos debatedores desonestos e manipuladores é a manipulação semântica, isto é, manipular o sentido de uma palavra para expressar já nela a tese que se defende:
"No fundo trata-se de uma sutil petitio principii: aquilo que se quer dizer é introduzido já na palavra, na denominação, da qual se deriva por um simples juízo analítico" (SCHOPENHAUER, A. Como Vencer um Debate sem Precisar ter Razão. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997; p.144).
Em outro momento, Schopenhauer explica o estratagema nº 30, que é o "argumentum ad verecundiam", i. e., o argumento de autoridade. Não é, propriamente, um estratagema do debate desonesto, mas uma técnica comum para qualquer debate, a qual pode, no entanto, ser subvertida, sendo esta subversão a que Schopenhauer condena. Uma das subversões deste tipo de argumento que é condenada é a de usar o senso comum de forma errônea:
"Também podemos usar os preconceitos gerais como autoridade. Parte das pessoas pensa, com Aristóteles que [citação grega no original] 'as coisas que parecem justas a muitos, dizemos que o são'. De fato, não existe nenhuma opinião, por absruda que seja, que os homens não se lancem a torná-la sua, tão logo se tenha chegado a convencê-los de que é universalmente aceita. O exemplo vale tanto para suas opiniões quanto para sua conduta. São ovelhas que vão atrás do carneiro-guia aonde quer que as leve. Para eles, é mais fácil morrer do que pensar. É estranho que a universalidade de uma opinião tenha para eles tanto peso, pois basta-lhes observar a si mesmos para constatar como eles mesmos aceitam opiniões sem julgar, pela força do mero exemplo. Mas, na realidade, não o vêem porque estão desprovidos de todos conhecimento de si mesmos" (idem, pp.166-167).
São os chamados modismos, que as gerações modernas seguem sem raciocinar sobre: o modismo gayzista, o modismo abortista, o modismo do sexo livre, o modismo do "tudo que é antigo é ruim", o modismo do "tudo que é católico é ruim". Opiniões claramente preconceituosas - no sentido real da palavra, i.e., aceitas sem investigação, sem raciocínio, imbecilmente acatadas apesar de não possuírem fundamento algum. Afinal, diz Schopenhauer, palavras que apropriadamente se poderia aplicar às gerações modernas: "Para eles, é mais fácil morrer do que pensar".

Um claro modismo, altamente em voga nos dias atuais, é o uso da palavra "preconceito" para condenar tudo que não está de acordo com o status quo revolucionário e modernista atual. Por exemplo, se alguém preza pela família e se condena a união civil de homossexuais e o sexo livre tão difundido hodiernamente, esta pessoa é logo tachada de preconceituosa, ainda que sua opinião seja altamente conceituada: a lógica é que, se a família é a base social e indispensável a todo homem, é necessário que se proteja o casamento, onde ela surge, e a pureza de suas relações, especialmente pela virtude da castidade, para mantê-la! Nada há de preconceituoso nisso; ao contrário, quem assim decide caminha por um caminho correto, tradicionalmente reconhecido (e, antes que objetem, tradição é algo que sempre deu certo para todos, e nada tem a ver com modismo) e plenamente conceituado, pensado, raciocinado.

Mas, como dizia, é bastante comum encontrar quem tache toda opinião contrário ao senso revolucionário e modernista atual de "preconceituosa". É feita uma manipulação semântica - das denunciadas por Schopenhauer - da palavra "preconceito", que agora passa a significar "tudo que não concorda com a moda atual". Quem não concorda com o ativismo gay, é preconceituoso; quem não aceita o aborto, é preconceituoso; quem é católico e diz que "fora da Igreja não há salvação" (coisa que a Igreja, pelo Evangelho, sempre ensinou), é preconceituoso; e por aí vai.

A estratégia de condenar tudo como preconceito é adorada pelos marxistas culturais e liberais dos costumes das mais variadas matizes, especialmente pelos gayzistas e pelos abortistas. Quem nunca ouviu os ativistas gays, ao som das palavras "o homem deve unir-se à uma mulher", execrar o outro como um homofóbo preconceituoso? Ou quem nunca viu uma abortista, ao som das palavras "nenhuma mulher tem o direito de matar seu filho", repugnar o próximo como um machista medieval preconceituoso?

Olavo de Carvalho faz uma interessante análise deste uso corrente da palavra "preconceito" - que se tornou uma verdadeira "categoria de argumentos" - em suas notas e comentários à obra de Schopenhauer.

Primeiramente, nota o filósofo brasileiro que este uso da palavra "preconceito" completamente desvinculada de seu sentido real constitui-se um dos mais caros vocábulos da "Novilíngua" - a língua nova imposta pelos inimigos da inteligência humana com base na manipulação semântica das palavras, a mudança de seu sentido:

"A manipulação semântica é o mais seguro indício de que o debatedor tem o intuito de vencer a qualquer preço, com solene desprezo pela verdade. Em épocas de radicalização política, ela se torna uso corrente. Nos regimes totalitários - uma invenção do século XX que Schopenhauer não poderia prever - , a manipulação semântica passou a ser usada já não no confronto polêmico, mas como instrumento de um discurso monológico destinado a bloquear, primeiro, a expressão de idéias antagônicas e, depois, a mera possibilidade de pensá-las. Se o orador sempre fala sozinho para a multidão, sem um oponente que venha equilibrar as coisas invertendo as conotações forçadas que ele dá a certos termos, estas vão aos poucos entrando no uso diário e o povo acaba por tomá-las como definições rigorosas; a ênfase postiça - positiva ou negativa - anexa-se de modo definitivo ao significado, e se torna impossível pensar o seu objeto independentemente do valor afirmado ou negado na palavra mesma. A erística sem debate é um dos produtos mais requintados da perversidade humana. George Orwell satirizou esse fenômeno no romance 1984, onde o totalitarismo perfeito implanta oficialmente a 'Novilíngua' (Newspeak), toda composta de conotações alteradas. Na vida real, as coisas são piores: a Novilíngua é imposta de facto, sem declaração oficial. Isto torna muito mais difícil combatê-la e sobretudo identificar seus responsáveis: eles permanecem anônimos por trás de um abstrato sujeito coletivo, até que este acabe por se identificar com a pópria natureza impessoal das coisas, com a História, com Deus ou com o povo inteiro, de modo que enfim a vítima venha a assumir a responsabilidade pelo crime. No Brasil, porém, o emprego da manipulação semântica adquiriu, nas últimas duas décadas, contornos peculiares, talvez jamais observados no mundo: o domínio totalitário da linguagem monológica por uma casta de manipuladores convive pacificamente com a democracia formal, defendida, paradoxalmente, pela mesma casta. [...] Os exemplos poderiam multiplicar-se ad infinitum (talvez o mais significativo seja o uso generalizado da palavra preconceito para carimbar estereotipicamente certas correntes de opinião - por mais finamente conceptualizadas que sejam - e não, como seria normal, a crença adotada sem razão, o juízo composto de imagens afetivas erigidas em pseudoconceitos). O domínio esquerdista do vocabulário é total e irrestrito, o que faz com que cada cidadão brasileiro, ao discordar da esquerda, se veja desprovido de meios de expressão que não estejam sobrecarregados de um temível potencial de malentendidos; aos poucos, a dificuldade de falar se torna a dificuldade de pensar" (CARVALHO, O. Comentário Suplementar III; ibid., pp.220-223).
E ainda em outro momento:
"Não esquecer que, nos dias que correm, a simples adesão a um novo preconceito faz o sujeito se sentir livre de preconceitos. O uso corrente da palavra 'preconceito' é de teor nitidamente preconceituoso, pois cria uma prevenção irracional contra uma opinião que, em geral, só se conhece por alto. A acusação de preconceito é hoje um dos estratagemas de uso mais freqüente: ela dispensa o exame de argumentos da parte contrária. Nos meios acadêmicos, fortemente influenciados pela mentalidade 'politicamente correta', ampliar desmesuradamente o sentido da palavra 'preconceito' tornou-se até corrente de investigação e prova em História e ciências sociais: se um sujeito fez uma piada sobre judeus, é prova de que tem preconceito anti-semita. a suscetibilidade neurótica que espuma de raiva ante gracejos, por seu lado, não é preconceito: é exemplo de superior neutralidade científica" (CARVALHO, O. Nota 118, ibid., pp. 166-167).

Na modernidade, portanto, e me refiro especialmente ao Brasil da atualidade, o uso da palavra "preconceito" se tornou altamente preconceituoso!

Os comentários de Olavo de Carvalho à Schopenhauer provam com uma clareza invejável esta afirmação; fazem-se desnecessárias maiores explicações.

A sobriedade dos argumentos de Olavo de Carvalho e a profundidade com que estas questões e outras mais são abordadas por Schopenhauer e pelo filósofo brasileiro em seus comentários mostram porque fiz questão de indicar o livro como uma leitura indispensável a um bom soldado cristão.

E, para quem ainda não leu, indicamos os nossos posts sobre a lavagem cerebral comunista, a Psicopolítica, e sobre as relações entre o banimento do latim e da Filosofia de nossas escolas e a imbecilização do homem.

Até mais e En Garde, soldat!

Leituras obrigatórias para um bom soldado (nº 2): "Como Vencer um Debate sem precisar ter Razão", de Arthur Schopenhauer

Estou lendo - a duras penas, dado meus compromissos com a faculdade - um livro que me foi emprestado por um amigo do Curso de Direito. Trata-se de "Como Vencer um Debate sem Precisar Ter Razão" (Rio de Janeiro: Topbooks, 1997), que traz os manuscritos de Arthur Schopenhauer sobre a Dialética Erística (i.e, o debate desonesto, mais com a ambição de vencer do que o intuito de encontrar a verdade) com anotações e comentários do grande filósofo brasileiro Olavo de Carvalho, arauto da resistência anti-comunista em nossa nação.

O objetivo do livro não é ensinar como levar à cabo um debate desonesto (não foi esse o objetivo de Schopenhauer, nem o é tampouco o de Olavo). O objetivo é mostrar as técnicas utilizadas por alguns modernos formadores de opinião - na maioria das vezes ideólogos manipuladores - com o intuito de conduzir massas de homens como a marionetes, através de argumentos falsos que parecem verdadeiros - os sofismas.

Schopenhauer revela os 38 estratagemas utilizados pelos debatedores desonestos e manipuladores para convencer os ouvintes de que suas idéias esdrúxulas são verdadeiras, imbecilizando-lhes e controlando-lhes como a bestas encoleiradas, aceitadoras das maiores bobagens como fatos irrefutáveis. As notas e os comentários de Olavo de Carvalho adicionam um brilho sem igual à obra, sendo o filósofo brasileiro um dos que mais luta contra a imbecilidade coletiva (aliás, este é o título de um de seus livros, "O Imbecil Coletivo").

No contexto brasileiro atual, a leitura de "Como Vencer um Debate sem Precisar Ter Razão" é indispensável para entender como o Governo Federal, os marxistas, os ativistas gays, os Teólogos da Libertação, os abortistas, e demais castas podres, manipulam a opinião pública, fazendo com que muitas pessoas, renegando as leis naturais e os valores morais mais caros à nossa nação, ajam roboticamente na desefa de ideais revolucionários e desastrosos, tanto para a política, quanto para a consciência e inteligência do povo brasileiro, quanto para seu senso religioso e moral.

Indico, portanto, com as maiores honras, a leitura deste ótimo livro!

Por amor à inteligência e à sanidade, não deixem de lê-lo!

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Desparecido o Príncipe Dom Pedro Luiz

Transcrevemos abaixo o Comunicado da Casa Imperial do Brasil:

"Cumprimos o doloroso dever de informar que D. Pedro Luiz, filho mais velho de SS.AA.RR. os Príncipes D. Antonio e D. Christine e 4º na linha de sucessão ao Trono brasileiro, encontrava-se no avião da Air France desaparecido no vôo Rio de Janeiro - Paris.

O XX Encontro Monárquico foi adiado para setembro. Aos que fizeram inscrição pedimos a compreensão e informações da Pró Monarquia".
Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial, pediu orações pelo sobrinho desaparecido. Rezemos não só pelo Princípe Dom Pedro Luiz, 4 º herdeiro do Trono de nossa nação, como também por todos os que estão desaparecidos e por seus familiares. Que a Virgem Santíssima lhes dê o consolo necessário em tão grande aflição. Nossa coração clama a ti, Senhor Jesus, pelo Coração Imaculado de Tua Mãe Santíssima!

Ave Maria, grátia plena, Dominus técum,
benedícta tu in muliéribus
et benedíctus fructus ventris tui,
Iesus.
Sancta Maria, Mater Dei,
ora pro nobis, peccatóribus,
nunc et in hora mortis nostrae.
Amen.

Leituras obrigatórias para um bom soldado (nº 1)

Vou começar indicando um artigo que saiu semana passada, no Blog Abafos e Desabafos, do meu nobre irmão de armas e amigo pessoal, Luís Guilherme, e que é o artigo que me motivou nesse exato momento a estudar para o Concurso Público da UFCG ainda esta noite, depois que sair daqui. O título é "Testemunha sem acusação" - não entendi porque, mas o Luís tem dessas coisas; senão não é Luís! - e trata de virtudes. Especialmente, o artigo trata do crescimento - com princípios aplicáveis a tudo na vida: profissional, moral, espiritual, musculação até... - e sua tese fundamental é a de que a perseverança e o martírio constroem o homem sério, destes que Cristo realmente precisa em seu Exército. Leiam! Obrigatório mesmo!

No Deus lo Vult, um dos melhores Blogs católicos que conheço, do meu nobre amigo Jorge Ferraz, que tive a honra de conhecer pessoalmente e missionar lado a lado, após várias batalhas na internet, trouxe uma denúncia que já veiculei aqui por meio de um comentário, sobre o caso da Psicóloga Rozangela Justino, que, por ajudar homossexuais a se curarem, está sendo processada (pasmem! pasmem! pasmem!). É, como disse meu amigo no título do artigo, a Gaystapo em ação! Leiam e fiquem cientes dos estratagemas usados pelos ativistas gays - e imaginem como isto vai ser se for aprovada a perseguidora e totalitária Lei da Mordaça Gay (PL 122/2006) que o Governo Federal quer enfiar garganta abaixo nos brasileiros!

Saiu ontem no Blog Acarajé Conservador uma ótima análise da obra de Shakespeare sob uma ótica cristã e conservadora; o artigo, intitulado "Shakespeare, uma caminhada espiritual", de autoria do meu caríssimo amigo e irmão na Fé, Pedro Ravazzano, aborda com maestria a obra "Otelo, o Mouro de Veneza". Pedro mostra como, em Otelo, Shakespeare se opõe ao discurso secularizador do Renascimento e adota uma visão de mundo integral, segundo a perspectiva medieval e cristã, que encara o universo e a vida sempre diante de Deus. O autor aborda as alegorias na obra de Shakespeare, o real significado dos personagens da obra, as referências à Bíblia e à Doutrina Cristã em Otelo... enfim, leitura recomendadíssima para quem gosta de literatura e arte e não suporta a pseudo-arte moderna e os fiacos literários anticristãos publicados atualmente como a última palavra em literatura. Além de ser uma ótima análise para um cristão e conservador, a quam a cultura geral é indispensável na luta contra as engrenages do modernismo e do marxismo cultural.

No Site Veritatis Splendor foram publicados magníficos artigos semana passada, e perdi a oportunidade de anunciá-los aqui naquela ocasião (mea culpa!).

Para começar, um ótimo artigo sobre homossexualismo, de autoria do meu caríssimo irmão Emerson Oliveira, intitulado "A maneira de evitar o laço do homossexualismo", onde o autor aborda as causas psicológicas e como lutar para reverter o homossexualismo - boa leitura para o anônimo que tem comentado aqui sobre ser "preconceito" a afirmação de que o homossexualismo pode ser revertido.

O Veritatis também acaba de publicar a tradução (por nosso irmão Rondinelly Ribeiro, o Rondi) do livro de Joel Peters "Somente a Escritura? - 21 Razões para rejeitar a Sola Scriptura", muito bom para quem queira entender o absurdo da doutrina protestante da "Sola Scriptura" - como se não houvesse nada mais além da Bíblia - e porque a Igreja Católica crê também na Tradição, naquela pregação oral dos Apóstolos, conservada na Igreja, além da Escritura - até porque a Escritura, antes de ser escrita, foi pregada oralmente! O próprio São João diz que nem tudo está escrito (cf. João 21,25). Mas não vou tirar o gostinho da leitura. Quem quiser entender melhor a questão, leia a obra. Leitura indispensável para conversar com protestantes!

Outro artigo interessante é o do meu querido Renato Rosman, respondendo a uma questão de um leitor. São aquelas questõezinhas agudas que normalmente surgem e alfinetam nossa mente por dias à fio! No caso em questão, sobre o Big Bang e sobre a mulher e os filhos de Caim. Quem queira, desde já, ter uma resposta para isso antes que lhe surjam as dúvida, indico a leitura; e quem, já tendo a dúvida, queira saná-la, indico também!

Por último - apesar de salientar que todos os artigos são indicados, mas detenho-me nos mais relevantes - indico o artigo do meu caro amigo e irmão de Apostolado, companheiro nas letras jurídicas, Rafael Vitola Brodbeck, sobre as orações em línguas da Renovação Carismática. O Veritatis tem bons motivos, como já os condensou o nosso Diretor e Fundador, Prof. Alessandro Lima, no sue e-book "O Dom das Línguas", para acreditar que "xalandricá" da RCC não é o verdadeiro dom de línguas, mas apenas uma simulação emocionalmente forçada do mesmo. Este artigo do Vitola vem fechando um trio de artigos sobre o tema - os outros são de Emerson de Oliveira e Pedro Ravazzano.

Enfim, são estes os artigos que gostaria de indicar! Leituras muito boas para um bom cruzado da fé.

En Garde, soldat!