sábado, 30 de janeiro de 2010

Pronunciamento acerca do 3º Programa Nacional de Direitos Humanos - Declaração de 67 Bispos

            Nós abaixo-assinados, impelidos por nosso dever pastoral como Bispos católicos, provenientes de várias regiões do País, reunidos em um encontro de atualização pastoral – prosseguindo a tradição profética da Igreja Católica no Brasil que, nos momentos mais significativos da história de nosso País, sempre se manifestou em favor da democracia, dos legítimos direitos humanos e do bem comum da sociedade, em continuidade com a Declaração da CNBB do dia 15 de Janeiro de 2010 e com a Nota da Comissão Episcopal de Pastoral para a Vida e a Família e em consonância com os pareceres emitidos por diversos segmentos da sociedade brasileira feridos pelo III Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH 3), assinado pelo Preside nte da República no dia 21 de dezembro de 2009 – nos vemos no dever de manifestar publicamente nossa rejeição a determinados pontos deste Programa.

             Diz a referida Declaração: “A CNBB reafirma sua posição muitas vezes manifestada em defesa da vida e da família e contrária à discriminalização do aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e o direito de adoção de crianças por casais homo-afetivos. Rejeita, também, a criação de mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União, pois considera que tal medida intolerante, pretende ignorar nossas raízes históricas”.

            Não podemos aceitar que o legítimo direito humano, já reconhecido na Declaração de 1948, de liberdade religiosa em todos os niveis, inclusive o público, possa ser cerceado pela imposição ideológica que pretende reduzir a manifestação religiosa a um âmbito exclusivamente privado. Os símbolos religiosos expressam a alma do povo brasileiro e são manifestação das raízes históricas cristãs que ninguém tem o direito de cancelar.

             Há propostas que banalizam a vida, descaracterizam a instituição familiar do matrimônio, cerceiam a liberdade de expressão na imprensa, reduzem as garantias jurídicas da propriedade privada, limitam o exercício do poder judiciário, como ainda correm o perigo de reacendar conflitos sociais já pacificados com a lei da anistia. Estas propostas constituem, portanto, ameaça à própria paz social.

            Fazemos nossas as palavras do Cardeal Dom Geraldo Majela Agnelo, Primaz do Brasil, referidas à proposta de discriminalização do aborto, mas extensivas aos demais aspectos negativos do programa. O PNHD 3 “pretende fazer passar como direito universal a vontade de uma minoria, já que a maioria da população brasileira manifestou explicitamente sua vontade contrária. Fazer aprovar por decreto o que já foi rechaçado repetidas vezes por orgãos legitimos traz à tona métodos autoritários, dos quais com muito sacrifício nos libertamos ao restabelecer a democracia no Brasil na década de 80”.

             “Firmes na esperança, pacientes na tribulação, constantes na oração” (Rm 12, 12), confiamos a Deus, Senhor supremo da Vida e da História, os rumos de nossa Pátria brasileira.

Rio de Janeiro, 28 de Janeiro de 2010.

+ Alano Maria Pena, Arcebispo de Niteroi, RJ
+ Francisco de Assis Dantas de Lucena, Bispo de Guarabira
+ Fernando Arêas Rifan, Bispo da Administração Apostólica S. João Maria Vianney, Campos, RJ
+ Benedito Gonçalves Santos, Bispo de Presidente Prudente, SP
+ Joaquim Carreira, Bispo Auxiliar de São Paulo, SP
+ Juarez Silva, Bispo de Oeiras, PI
+ Manoel Pestana Filho, Bispo emérito de Anápolis, GO
+ José Moreira da Silva, Bispo de Januária, MG
+ Tarcísio Nascentes dos Santos, Bispo de Divinópolis, MG
+ Guiliano Frigenni, Bispo de Parintins, AM
+ Paulo Francisco Machado, Bispo de Uberlândia
+ Gilberto Pastana de Oliveira, Bispo de Imperatriz, MA
+ Philipe Dickmans, Bispo de Miracema, TO
+ Edney Gouvêa Mattoso, Bispo eleito de Nova Friburgo, RJ
+ Carlos Alberto dos Santos, Bispo de Teixeira de Freitas – Caravelas, BA
+ Walter Michael Ebejer, Bispo emérito de União da Vitória, PR
+ José Antônio Peruzzo, Bispo de Palmas – Francisco Beltrão, PR
+ Franco Cuter, Bispo de Grajaú, MA
+ Karl Josef Romer, Secretário emérito do Pontifício Conselho para a Família
+ Roberto Lopes, Abade do Mosteiro de São Bento, Rio de Janeiro, RJ
+ Orani João Tempesta OCist., Arcebispo do Rio de Janeiro, RJ
+ Eugenio de Araujo Card. Sales, Arcebispo emérito do Rio de Janeiro, RJ
+ João Carlos Petrini, Bispo Auxiliar de São Salvador da Bahia
+ Luciano Bergamin, Bispo de Nova Iguaçu, RJ
+ Antônio Augusto Dias Duarte, Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro, RJ
+ Wilson Tadeu Jönck, Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
+ Pedro Brito Guimarães, Bispo de São Raimundo Nonato, PI
+ Fernando Guimarães, Bispo de Garanhuns, PE
+ Salvador Paruzzo, Bispo de Ourinhos, SP
+ José Moureira de Mello, Bispo de Itapeva, SP
+ José Francisco Rezende Dias, Bispo de Duque de Caxias, RJ
+ Laurindo Guizzardi, Bispo de Foz do Iguaçu, PR
+ Gornônio Alves da Encarnação Neto, Bispo de Itapetininga, SP
+ Carmo João Rhoden, Bispo de Taubaté, SP
+ Ceslau Stanula, Bispo de Itabuna, BA
+ João Bosco de Sousa, Bispo de União da Vitória, PR]
+ Osvino José Both, Arcebispo Militar do Brasil, BSB
+ Capistrano Francisco Heim, Bispo Prelado de Itaituba, PA
+ Aldo di Cillo Pagotto, Arcebispo da Paraíba, PB
+ Gil Antonio Moreira, Arcebispo de Juiz de Fora, MG
+ Moacir Silva, Bispo de São José dos Campos, SP
+ Diamantino Prata de Carvalho, Bispo de Campanha, MG
+ Caetano Ferrari, Bispo de Bauru, SP
+ Aléssio Saccardo, Bispo de Ponta de Pedras, PA
+ Heitor de Araújo Sales, Arcebispo emérito de Natal, RN
+ Matias Patrício de Macêdo, Arcebispo de Natal, RN
+ Geraldo Dantas de Andrade, Bispo auxiliar de São Luis do Maranhão, MA
+ Bonifácio Piccinini, Arcebispo emérito de Cuiabá, MT
+ Tarcísio Scamarussa, Bispo Auxiliar de São Paulo, SP
+ Celso José Pinto da Silva, Arcebispo emérito de Teresina, PI
+ José Palmeira Lessa, Arcebispo de Aracaju, SE
+ Antônio Carlos Altieri, Bispo de Caraguatatuba, SP
+ Aloisio Hilário de Pinho, Bispo emérito de Jataí, GO
+ Guilherme Porto, Bispo de Sete Lagoas, MG
+ Adalberto Paulo da Silva, Bispo Auxiliar emérito de Fortaleza, CE
+ Bruno Pedron, Bispo de Ji-Paraná, RO
+ Fernando Mason, Bispo de Piracicaba, SP
+ João Mamede Filho, Bispo Auxiliar de São Paulo, SP
+ José Maria Pires, Arcebispo emérito de Paraíba, PB
+ Alfredo Schaffler, Bispo de Parnaíba, PI
+ João Messi, Bispo de Barra do Piraí – Volta Redonda, RJ
+  Friederich Heimler, Bispo de Cruz Alta, RS
+ Osvaldo Giuntini, Bispo de Marília, SP
+ Assis Lopes, Bispo auxiliar do Rio de Janeiro, RJ
+ Edson de Castro Homem, Bispo auxiliar do Rio de Janeiro, RJ
+Alessandro Ruffinoni, Bispo auxiliar de Porto Alegre, RS
+ Josafá Menezes da Silva, Bispo auxiliar de Salvador, BA

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Jornada de Bioética em Niterói (RJ), com a Dra. Lenise Garcia

Ótimo evento para sacerdotes e leigos católicos - e, por que não?, de outros credos -, especialmente para os políticos católicos, que têm o dever precípuo de defender a vida e a dignidade do ser humano em sua função pública. Cliquem na imagem abaixo para ampliar.


quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Continuam os protestos na Venezuela. E a violência...

- Protestos prosseguem na Venezuela; Chávez nomeia vice radical: "O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, alertou nesta quarta-feira que pode acelerar a implantação do socialismo no país, num dia em que alterou novamente seu ministério e a oposição manteve seus protestos contra a suspensão de um canal de TV. [...] Mostrando que se prepara para um ano combativo, Chávez reagiu a esses desafios nomeando um novo vice-presidente, conhecido por suas opiniões radicais, e tirando do ar o canal pago oposicionista RCTV. Grupos de oposição saíram às ruas nesta semana para protestar contra a desativação do canal, causando incidentes em que dois estudantes morreram. 'Se vocês (oposição) estão trilhando o caminho da desestabilização, alerto que isso vai gerar o resultado contrário do que estão buscando - que podemos decidir acelerar as mudanças', disse Chávez, que recentemente se declarou marxista, em declarações pela TV".
- Protestos contra Chávez deixam mais 11 feridos em Mérida: "Onze estudantes ficaram feridos no segundo dia de protestos pelo fechamento da emissora RCTV decretado pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e pela morte de dois universitários em Mérida durante outras manifestações, informou nesta quarta-feira, 27, o diário venezuelano El Universal. Mesmo após serem reprimidos na segunda-feira, os estudantes da Universidade Santa Maria voltaram às ruas para protestar contra as medidas decretadas por Chávez. Os manifestantes entraram em confronto com a Polícia local. Balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo foram usadas contra os estudantes, que revidaram com pedras e garrafas. Segundo os universitários, 11 deles ficaram feridos".
Estes acontecimentos trágicos só mostram a que poço de decadência e caos social levam os projetos revolucionários comunistóides que se quer implementar na América Latina. Mais que isso: é um alerta.  
Olhemos para a Venezuela, caríssimos: queremos ISSO para nós?! ISSO é uma "proposta edificante"?

Curtas importantes - Novamente Honduras. Vannuchi, o PNDH-3 e o aborto. Lula, Ahmadinejad, democracia e Holocausto.

- Lula e Celso Amorim apostaram contra a democracia. E perderam de modo miserável! Felizmente!: Reinaldo Azevedo publicou seu comentário sobre a posse de Porfirio "Pepe" Lobo em Honduras e a virilidade do povo hondurenho na sua resistência ao totalitarismo de Zelaya, Lula e Chavez; Reinaldo demonstra também como foi destrambelhada e vergonhosa a diplomacia brasileira e a atuação da mídia neste episódio. Ontem também publiquei no En Garde! um comentário a respeito. Leiam ambos. Segue um trecho do Reinaldo: "Na coleção de absurdos, o Brasil ganhou lugar de destaque. Lula e Celso Amorim, senhores, apostaram na guerra civil hondurenha! [...] A posse de Porfírio Lobo, em eleições ainda não-reconhecidas pelo Brasil — os hondurenhos não estão nem aí para o que pensa Lula — humilha a diplomacia brasileira e seus aloprados [...] Sete meses depois de Hugo Chávez ter patrocinado a tentativa de golpe em Honduras — de pronto rechaçada pelo Congresso, pela Justiça, pelo Ministério Público, pelas Forças Armadas e pela maioria do povo —, quem já deu início à trilha que o levará à desgraça e à liberdade dos venezuelanos é Hugo Chávez. Seu governo está se esfarelando. Cada vez mais, ele depende do apoio dos militares para governar.  E isso, sim, remete ao pior passado da América Latina. Neste blog, como sabem, escrevi muitas vezes: a derrota de Manuel Zelaya em Honduras é o começo do fim do chavismo. O país, com todas as dificuldades, segue, felizmente (e contra a vontade de Lula e de Amorim) na trilha da democracia. Chávez, o patrocinador de golpes, está cada vez mais perto de ser pendurado pelos pés em praça pública."

-Vannuchi: governo deve recuar sobre aborto no Plano Nacional de Direitos Humanos:"- A maneira como o aborto está colocada deve ser reformulada. Ela responde a um ponto de vista das mulheres. Essa é uma bandeira feminista. E o governo, o próprio presidente da República não a tem. Então, eu tenho que me responsabilizar e dizer que faltou a mim... Eu sou o responsável, não é ele, não é a ministra Dilma (Rousseff), sou eu [-diz Vannuchi]. Segundo o ministro o trecho que diz 'Apoiar a descriminalização do aborto' seria menos polêmico se terminasse aí, mas o complemento 'tendo em vista a autonomia das mulheres para decidir sobre seu próprio corpo' é uma bandeira do movimento feminista", diz a notícia de O Globo. Agora eu pergunto: 1) Que recuo foi esse? Nenhum recuo! O aborto continua lá! 2)Se é retirada apenas "a bandeira feminista" porque o Lula não concorda com ela, mas permanece a bandeira do aborto, então Vannuchi nos dá a prova - para quem prega a santidade irrestrita do Lula - que a bandeira do aborto, a única que permanece, é apoiada por Lula - não é, Vanucchi? 3) Vanucchi não tem vergonha de tão pouca virilidade, assumindo para si todas as culpas de Lula e Dilma? Certo que Vanucchi tem culpa da mesma maneira, mas isentar Dilma e Lula desse jeito? Isso além de vergonhoso é pouco viril...

- Presidente Lula participa de cerimônia em homenagem às vítimas do holocausto: "Ao final da cerimônia, Lula discursou acerca do holocausto e da necessidade do mundo jamais esquecer a tragédia, para que o exemplo faça com que algo similar não aconteça novamente. O presidente considerou como causa da tragédia a morte da democracia naquele momento, imposta pela ideologia nazista: 'Foi a supressão da democracia que abriu a avenida para o fascismo e para o nazismo. Ela é um bem do qual não podemos abrir mão nunca', disse Lula"; a notícia é de pe360graus. Agora eu indago: 1) Lula vai numa cerimônia em homenagem as vítimas do Holocausto... mas, peraí!, Lula não é um amigão do Ahmadinejad, aquele que nega o Holocausto e disse que Israel tem de ser varrido do mapa? Como disse um amigo meu no twitter, "hipocrisia!" Ainda acho que o Lula devia seguir o conselho da Nobel da Paz iraniana Shirin Ebadi, que comentei aqui no En Garde!, e não se juntar com governos criminosos... mas, ok, ele já se juntou com Chavez e Fidel... fazer o quê? Esta é só mais uma mostra da dubiedade moral do Lula, a mesma dubiedade que o fez tratar de maneiras diversas Honduras e a Venezuela. 2) Lula diz que suprimir a democracia abre avenida para o fascismo e e para o nazismo... ele sabe que tanto fascismo quanto nazismo são apenas tipos de socialismo? O mesmo socialismo que Lula defende; 3) Lula diz que não podemos abrir mão da democracia - e por que ele quer sepultá-la com o PNDH-3? 

Dos Arquivos Subversivos - Diário do agente comunista nº 1025: Um Padre (nº2)

[Traduzo o texto a seguir novamente do Blog St. John's Valdosta. Trata-se de um trecho do diário do agente comunista que, como muitos outros, foi infiltrado pelos comunas no sacerdócio visando a destruir a Igreja a partir de dentro. O diário do AA-1025, seu codinome, foi publicado em 1972 pela freira católica Marie Carre, que o encontrou entre os documentos do padre-agente comunista quando este sofrera um atropelamento. Aconselho, para quem ainda não fez, que leiam a primeira parte dos excertos deste diário neste mesmo Blog, onde encontra-se uma introdução histórica mais detalhada. No excerto seguinte, é demonstrado como os comunistas infiltrados, junto a outros inimigos da Igreja, promoveram - e promovem - a degeneração da liturgia. Os padres comunistas revelam que ao "celebrarem" a Missa trocavam as palavras da consagração, para torná-la propositalmente inválida - muitos padres da Teologia da Libertação fazem isso hoje. Além disso, é revelado que eles alteraram traduções dos Ordinários da Missa - como fez Dom Clemente Isnard no Brasil com a tradução do próprio Missal no Brasil - e também das Sagradas Escrituras, para desvirtuar os mistérios da Fé. Como se vêem, pois, os comunistas estão à solta, infiltrados dentro da própria Igreja, para destruí-la. Devemos nos precaver contra estes lobos vestidos de cordeiro. Somente em Roma, com o Papa, teremos a segurança de nossa Fé.]


No final dos anos 1960 Marie Carre, uma freira católica que servia como enfermeira em um hospital francês, foi designada para cuidar de um padre, aparentemente eslavo, sem documentos de identificação, que fora fatalmente ferido em um acidente automobilístico. Após sua morte, Marie Carre foi ordenada a revistar suas coisas para identificá-lo. Em sua maleta, ela encontrou um extenso diário, detalhando sua missão como um comunista que deveria tornar-se padre católico para destruir a Igreja por dentro. Seu número de código era 1025, porque ele era o comunista nº 1.025 dos recrutados para o sacerdócio com esta finalidade. Em 1972, seu diário foi publicada como “AA-1025: As Memórias de um anti-apóstolo”.  Abaixo estão alguns trechos, detalhando seus planos para a Igreja: 
Em Roma, tive uma conversa muito interessante com um professor que seria também meu quando eu recebesse o sacerdócio. Ele era um membro da nossa rede.  Estava muito otimista. Ele havia se especializado em Sagradas Escrituras e estava trabalhando em uma nova tradução da Bíblia para o inglês. A coisa mais surpreendente foi que ele havia escolhido um pastor luterano como seu único colaborador. O pastor, além disso, já não estava ligado a sua própria igreja, que parecia muito tradicional para ele.

Esta colaboração, é claro, permaneceu secreta. O objetivo destes dois homens era livrar a humanidade de todos os sistemas que ela própria havia criado através da Bíblia, e especialmente o Novo Testamento. Assim, a virgindade de Maria, a presença real de Cristo na Eucaristia e a Sua Ressurreição, segundo eles, estavam para ser postos de lado a fim de chegar a sua completa supressão. A dignidade do homem moderno, em sua ótica, valia à pena esse preço.

O professor também me ensinou uma forma razoável de dizer a missa, pois em seis anos eu seria obrigado a fazê-lo.

Enquanto esperava-se por uma profunda modificação de toda a cerimônia, ele nunca pronunciou as palavras da consagração*
. Mas para não ser suspeito, pronunciava pelo menos palavras quase similares, com o final parecido. Ele me aconselhou a fazer o mesmo. Tudo que faz esta cerimônia lembrar um sacrifício deveria, pouco a pouco, ser suprimido. Toda a cerimônia deveria representar apenas uma refeição comum, como entre os protestantes.

Ele até me garantiu que nunca deveria ter sido de outra forma. Ele também trabalhou na elaboração de um novo Ordinário da Missa e aconselhou-me a fazer o mesmo, porque lhe parecia totalmente desejável apresentar ao povo um número diversificada de várias missas. Deveria haver alguns, muito curtos, para famílias e grupos pequenos, alguns mais longos, para dias de festa, embora, segundo ele, a verdadeira festa para a classe operária fosse apenas uma caminhada para a natureza. Ele pensava que poderíamos facilmente chegar ao ponto de considerarem o domingo como um dia consagrado à Natureza.
___________________
*N. do T.: Naquela época ainda estava vigente o Missal Romano de 1962 e o Cânon da Missa era dito em voz baixa pelo sacerdote; somente com a Reforma Litúrgica de 1970, que originou o novo rito da Missa, o Cânon passou a ser dito em voz alta.

Leiam abaixo

Hoje foi um dos dias que mais escrevi no En Garde! Muito para comentar. Felizmente acabei. ;)
Então, leiam abaixo (esse mecanismo do Reinaldo é útil para estas situações!):

- A Igreja contra-ataca! - Notas da Comissão Episcopal para a Vida e a Família condenam o PNDH-3

- Padre Fábio de Melo é escandaloso: "A proposta socialista só edifica"

- Presidente Lula atropela decisão do Tribunal de Contas da União: uma atitude claramente totalitária

- Honduras se mantém firme em seus valores! Lula tombou em sua dubiedade e incoerência.

- MST: "Nós viemos aqui para pelo menos dar prejuízo"

MST: "Nós viemos aqui para pelo menos dar prejuízo"

Foram presos sete suspeitos de comandar a invasão e a destruição criminosas daquela plantação de laranjas em outubro passado, coisa que indignou todo país. Na ocasião, os invasores puseram abaixo 12 mil pés de laranja que estavam em produção há 5 anos, destruíram tratores e casas no lugar, deixando um prejuízo de R$ 1,3 milhão e uma propriedade produtiva sem poder produzir. O vídeo daquele episódio lamentável, que chocou a todos, pode ser encontrado aqui.
Agora, a Polícia Civil, que está investigando o caso, divulgou um outro vídeo. Nele, os revolucionários do MST planejam e exaltam a ação criminosa. E dizem os motivos. Quais são? Justiça social? Reforma agrária?
Nada disso.
“No ano passado, nós fizemos uma outra ocupação, que vocês lembram. Quem estava aqui, lembra. Outros que não estavam também são importantes. Fizemos, esta aqui é a quarta ocupação. E agora nós viemos aqui para pelo menos dar prejuízo para eles", são as palavras de Miguel Serpa, um dos chefes do MST e organizador da ação.
O motivo, pois, foi puramente esse: "nós viemos aqui para pelo menos dar prejuízo para eles". Dar prejuízo. Pura maldade. Que golpe nos que apregoam a santidade do MST! Pobrezinhos, não é? Tão santinhos... "Nós viemos aqui para pelo menos dar prejuízo para eles". Que anjinhos!
"Miguel Serpa e mais oito pessoas foram presos na terça pela Polícia Civil. Entre eles, o ex-prefeito da cidade de Iaras, Edilson Granjeiro Xavier, presidente municipal do PT, e a mulher de Miguel, a vereadora Rosemeire de Almeida Serpa, também do PT", diz a notícia do Jornal Nacional.
Vejam só! Alguma surpresa em ver gente do PT sendo presa com a cambada de bandidos que ocasionou aquela destruição criminosa da propriedade?
Lula anda com Chavez e Fidel. Os peixes menores andam com criminosos que destroem pés de laranja. É a lei do Partido!
E pensar que este Governo quer facilitar invasões de propriedades no seu PNDH-3, retirando da Justiça a competência de apreciar as lesões a direito e fazendo com que o proprietário tenha de negociar com o invasor a saída dele!
Vejam só: o cara invade a minha propriedade e eu tenho de ir lá, negociar com ele a sua saída: "senhor invasor, me perdoe eu ter essas terras, me perdoe que elas são minhas e que eu estou produzindo, alavancando a economia da nação... me perdoe porque o agronegócio infame do qual eu faço parte sustenta esse país... mas o senhor poderia, por favor, sair da minha terra? Por favor, senhor invasor..."
Tem cabimento isso?
O cara invadiu, o cara é criminoso, o cara invade a minha propriedade... e eu tenho de negociar com ele, pedir favores a ele! Vai ver daqui a pouco, como disse o Olavo de Carvelho num recente True Outspeak, vão querer que os pais negociem com os estupradores de suas filhas: "ô, por favor, você poderia não estuprá-la mais, ou a omenos fazer mais lentamente...?"
Não tem cabimento, mas é isso que o PNDH quer, conforme denunciam este texto do Promotor de Justiça Manoel Guimarães e este outro de Fabrício Fernandes de Castro, Juiz Federal e Presidente da AJUFERJES (Associação dos Juízes Federais do Rio de Janeiro e Espírito Santo).
Vejam o vídeo incriminador do MST no link da matéria do Jornal Nacional.
Vejam também o comentário do Reinaldo Azevedo em seu Blog.
Para "surpresa" nossa, o PT saiu em defesa dos bandidos em uma nota oficial, acusando a prisão dos criminosos de ter sido realizada por uma "polícia tucana". Pode? A Justiça - não o PSDB - manda prender a bandidagem, e os petistas - naquela sua visão maniqueísta de que tudo que é contra eles é do PSDB - acusam a polícia de ser tucana! Hilário!
A única coisa que não é hilária é o PT estar mancomunado com esse tipo de criminoso e ainda governar o país. Ah, isso não é hilário: é trágico!

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Honduras se mantém firme em seus valores! Lula tombou em sua dubiedade e incoerência.

- Porfirio Lobo toma posse; Zelaya deixa a Embaixada do Brasil e Honduras: "Porfirio 'Pepe' Lobo tomou posse nesta quarta-feira como novo presidente de Honduras, mais de seis meses após o então líder Manuel Zelaya ser deposto do cargo. [...] Duas horas após o novo dirigente ter recebido a faixa presidencial, Zelaya deixou a Embaixada do Brasil em Tegucigalpa por volta das 15h (19h de Brasília), onde passara os últimos 128 dias [...] Em seu primeiro discurso como presidente, Lobo apelou a uma "necessária e indispensável" reconciliação com a comunidade internacional. Agradeceu ao presidente da Costa Rica, Óscar Arias, 'por ter se interessado (...) numa solução justa e pacífica' para a crise; [...] [d]isse, ainda, que seu mandato durará quatro anos, 'nem um dia a mais, nem um dia a menos'. - Acabamos de sair da pior crise política de nossa história democrática, mas conseguimos evitar todos os grandes perigos que afrontavam nossa nação - disse Lobo". Como comentara no En Garde! no início de Dezembro, o Governo Brasileiro ficou sozinho, junto dos decadentes Governos de Venezuela e Bolívia, na sua sustentação do caudilhismo de Zelaya. O Lula, num acesso de loucura revolucionária, se opôs à legítima aspiração do povo hondurenho de defender sua Constituição, depondo Zelaya - aspirante a Chavez - e elegendo Porfirio Lobo. Mas Honduras se manteve de pé, se manteve firme. O Governo Brasileiro saiu enfraquecido na sua atuação megalomaníaca contra o povo hondurenho. E Honduras nos deu uma lição: não devemos ceder ao totalitarismo; devemos resisti-lo, enfrentá-lo bravamente, contra todos os que querem a derrocada da nação. É uma importante lição esta de Honduras para o Brasil de hoje, governado por um megalomaníaco que se mostra cada vez mais totalitário.

- Brasil age diferente em Honduras e na Venezuela: Excelente a matéria jornalística do Jornal Nacional, comparando a atuação dúbia do Brasil na Venezuela e em Honduras: "Na escalada autoritária de Hugo Chávez na Venezuela e na crise da deposição de Zelaya em Honduras, o governo brasileiro deu sinais contraditórios. Na crise hondurenha, o Brasil teve um comportamento enfático, se declarou contra a deposição do presidente Manuel Zelaya e deu abrigo a ele na embaixada brasileira. Condenou as eleições e não reconhece o novo presidente Porfírio Lobo. Já na atual crise na Venezuela, o Brasil preferiu não se envolver. O país mantém distância mesmo depois que o presidente Hugo Chávez adotou medidas consideradas autoritárias, como a suspensão do sinal de seis televisões a cabo e controle de preços. Antes dessa crise, em várias oportunidades o presidente Lula defendeu Chávez. 'Inventem uma coisa para criticar o Chávez, mas por falta de democracia não é', disse Lula em novembro de 2007".
Ora, a atuação dúbia do Governo Brasileiro é justificável, se considerarmos que o Partido Totalitário é coerente com sue próprio totalitarismo; para entendê-la corretamente, tracemos o seguinte cenário:
- Na Venezuela temos um caudilho louco que se perpetua no poder ad infinitum, matando e calando quem se lhe oponha;
- Em Honduras tínhamos um fã incondicional do maluco venezuelano, querendo ser igual a ele, mas que, graças à virilidade do povo hondurenho, não logrou êxito em seu plano maquiavélico;
- No Brasil temos um amigo do louco venezuelano e que quer fazer aqui o mesmo que o chapeludo hondurenho queria fazer em Honduras - e está tentando fazer;
Nesta linha de raciocínio, é fácil entender.
Lula se opôs à queda de Zelaya porque apoiava o seu projeto totalitário; para isso, usava como pretexto a conversinha de que "não se pode tolerar ofensas à democracia", como se o caudilhismo de Zelaya fosse democrático!
Ao mesmo tempo, Lula tolera demais as ofensas contra a democracia perpetradas por Chavez na Venezuela; não fala nada sobre elas. Pelo contrário, diz que ninguém pode criticar Chavez por falta de democracia! mas não era Lula que criticava a queda de Zelaya como uma ofensa à democracia? O mesmo Lula que defende o refime chavista como democrático! Que incoerente!

Incoerente, sim; mas lógico, dentro da lógica totalitária: o projeto de Chavez e de Zelaya é o mesmo, um projeto revolucionário e totalitário. E Lula é também adepto deste projeto. Logo, defende a ambos, Chavez e Zelaya, usando de argumentos falaciosos e prosturas incoerentes: é o "totalitarismo custe o que custar" dos revolucionários.
A postura de Lula é dúbia e relativística, mas essencial ao seu projeto revolucionário. Lula não podia tolerar que Zelaya caísse, como não pode tolerar a queda de Chavez: o essencial é manter o maior número de países nas mãos dos comunistas, para trazer a URSS para cá. E o Brasil no meio disso.
Com uma postura imoral e dúbida como essa, indago: é este "duas caras" - que usa da "democracia" para defender um totalitário aqui e outro ali - que deixaremos continuar à frente do país?
A matéria do Jornal Nacional, mostrando a dubiedade do Brasil no trato com a Venezuela e com Honduras, é excelente. Pode ser assistida neste link.

Presidente Lula atropela decisão do Tribunal de Contas da União: uma atitude claramente totalitária

- Lula desrespeita Tribunal de Contas da União: "O presidente Lula atropelou um relatório do Tribunal de Contas da União. Ele mudou o orçamento que tinha sido aprovado no Congresso e destinou recursos públicos a obras com suspeitas de irregularidades".  

Comentário: Essencial num regime totalitário é a macrocefalia do Poder Executivo e a redução dos demais Poderes a meros anexos encoleirados pelo chefe do Executivo todo-poderoso. O Tribunal de Contas da União existe para auxiliar o Congresso Nacional numa de suas funções mais importantes, que é "a fiscalização contábil, financeira, orçamentéria, operacional e patrimonialda União" (CF, art.70).
Assim, o TCU com seus pareceres sobre as contas do Presidente da República (art.71,I) atua no controle externo do Executivo que deve ser exercido pelo Poder Legislativo, segundo o sistema de "freios e contrapesos", essencial à manutenção do equilíbrio de Poderes e da democracia. O Congresso acatara o parecer do TCU, ordenando a paralização das obras com irregularidades até que elas fossem sanadas.
Ora, se Lula ignora o TCU e o Congresso, atropelando suas decisões, é porque ignora o controle externo que deve ser exercido pelo Legislativo com o auxílio do TCU. Se Lula atropela decisões do TCU e do Congresso, é porque Lula quer que o Poder Executivo, do qual é Chefe, saia do controle externo do Poder Legislativo.
Mas isso é justamente a característica de regimes totalitários. Alguém vai negar, pois, em que caminho estão o Lula e o governo do seu Partido Totalitário, o PT?

Padre Fábio de Melo é escandaloso: "A proposta socialista só edifica"

Cada vez que leio as pérolas proferidas por este sacerdote comprovo que o referido padre não é causa de escândalo apenas pelas roupas que veste - como alguns ignorantes gostam de pensar -, mas também pelas sandices anti-católicas e anticristãs que fala. Pois vocês acreditam que o Padre cantor, modelo, ator e tantas outras coisas mais - mas talvez não católico - apareceu em uma entrevista novamente defendendo o socialismo, a Teologia da Libertação e políticos abortistas?
Como comentou um grande amigo, numa lista de que participo, parafraseando um sacerdote piedoso e sábio, "o problema da Igreja não é de conversões, mas de excomunhões. Como não excomungar um caso destes?".

Transcrevo a seguir trecho do comentário de Everth Queiroz em Ecclesia Una, que dá a medida das sandices proferidas pelo Padre Fábio de Melo [foto acima... sim, é um padre...]. O Padre estuda canto e música, mas parece ter esquecido de estudar o Catecismo...
"O Padre Fábio de Melo concedeu uma entrevista ao Instituto Humanitas Unisinos. Nela, falou de diversos assuntos, tais como música, Criação do Universo, homossexualismo, socialismo e Teologia da Libertação. São declarações mais uma vez explicitamente contrárias ao Magistério da Igreja, declarações essas que gostaria de enfatizar para deixar o povo católico bem atento do que são as verdades da nossa fé.
[...]
- “A proposta de Jesus é socialista, né? O socialismo tem sido mal interpretado. Bem aplicada, sem os exageros da antiga União Soviética, a proposta socialista só edifica.” Ora, o que diz a Igreja sobre o comunismo? Vejamos:
'Os Socialistas, para curar este mal, instigam nos pobres o ódio invejoso contra os que possuem, e pretendem que toda a propriedade de bens particulares deve ser suprimida, que os bens dum indivíduo qualquer devem ser comuns a todos, e que a sua administração deve voltar para – os Municípios ou para o Estado. Mediante esta transladação das propriedades e esta igual repartição das riquezas e das comodidades que elas proporcionam entre os cidadãos, lisonjeiam-se de aplicar um remédio eficaz aos males presentes. Mas semelhante teoria, longe de ser capaz de pôr termo ao conflito, prejudicaria o operário se fosse posta em prática. Pelo contrário, é sumamente injusta, por violar os direitos legítimos dos proprietários, viciar as funções do Estado e tender para a subversão completa do edifício social'.
(Papa Leão XIII, Rerum Novarum, 3; 15 de maio de 1891)
Será que o socialismo é mesmo “edificante”? Será que Pio XI errou ao deixar claro que “o socialismo quer se considere como doutrina, quer como fato histórico, ou como « ação », se é verdadeiro socialismo, mesmo depois de se aproximar da verdade e da justiça nos pontos sobreditos, não pode conciliar-se com a doutrina católica; pois concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã” (Quadragesimo Anno, 2)? Será que o socialismo foi realmente mal interpretado? Ou será que Stalin, Mao, Fidel Castro ou outros líderes comunistas mataram poucas pessoas em nome dessa ideologia perversa?

- “[Teologia da Libertação] também foi importante.” Importante para quê? Só se for para causar “seqüelas mais ou menos visíveis feitas de rebelião, divisão, dissenso, ofensa, anarquia” (Ad Limina aos bispos do Regional Sul 3 e 4) ou para fortalecer o crescimento do marxismo ateu no nosso país. Será – pergunto mais uma vez – que o até então Cardeal Ratzinger estava enganado quando afirmou que “a luta de classes como caminho para uma sociedade sem classes é um mito que impede as reformas e agrava a miséria e as injustiças” (Libertatis Nuntius, 11)?

- “[Dilma, Serra, Ciro ou Marina?] Acho que gosto de todos.” Ora, e os candidatos abortistas? Será que também são da preferência do padre?
Ecoa na mente de nós, católicos, a pergunta: Até quando os nossos sacerdotes vão se confrontar diretamente com o Magistério da Igreja e proferir opiniões totalmente contraditórias às exortações da Santa Sé?"
O Padre Fábio de Melo não sabe o que diz. E se sabe, diz com uma malícia tremenda. É tristíssimo ver que um sacerdote, além de não querer mostrar-se como sacerdote, profere tamanhas bobagens indignas da boca de um padre católico. Não sem motivo a Virgem Maria, em sua aparição em La Salette, condenou os padres infiéis e disse que os sacerdotes destes tempos modernos se tornaram "cloacas de impureza".

Gostaria de saber se o referido sacerdote apóia a "proposta edificante" do socialismo do Governo Lula no seu Programa Nacional de Direitos Humanos, que quer aprovar o aborto, a união de gays, a destruição da família e do matrimônio, a promoção do ateísmo e do laicismo, a instituição das perseguições religiosas oficializadas. É esta a proposta de Jesus, Padre Fábio?

Além disso, será que dirá o referido sacerdote às famílias das milhões de vítimas do Comunismo na URSS, na China e em Cuba? Dirá também que é uma "proposta edificante"?

O Padre Fábio, além de desrespeitar aos católicos e de ser infiel à Santa Madre Igreja com suas infâmias, ofende às vítimas do comunismo no mundo inteiro, vítimas injustiçadas, que até hoje clamam pela punição de seus algozes - algozes que uns chamariam de seguidores de "uma proposta edificante".

Padre Fábio de Melo é causa de escândalo. Em sua entrevista, falou de Leonardo Boff; disse que Boff "foi coerente ao abandonar a Igreja e concluir que estava no lugar errado. Exerceu um direito". Talvez seja a hora do Padre Fábio pensar em fazer o mesmo, pensar em ser coerente.

Ao menos uma vez.

A Igreja contra-ataca! - Notas da Comissão Episcopal para a Vida e a Família condenam o PNDH-3

Vi ontem, mas não tive tempo de postar no En Garde! a respeito. É impressionante como os organismos da CNBB finalmente estão demonstrando ativa contrariedade aos arroubos totalitários do nosso Presidente comunista. Houve aquela Nota da CNBB, sem muito valor, pois muito diplomática, excessivamente branda e caridosa com um Governo que só mete pauldas no Cristianismo. Depois foram os panfletos do Regional Sul 1. Agora é a Comissão Episcopal para a Vida e a Família - a Pastoral Familiar da CNBB - que se manifesta em contrário. E com uma ênfase que me impressionou.
No dia 13 de Janeiro, o Pe. Luiz Antonio Bento [foto], Assessor Nacional da referida Comissão Episcopal - e, segundo informações de amigos que o conhecem, um bom sacerdote, realmente defensor da Vida e da Família - publicou um excelente artigo destrinchando ponto por ponto o Programa Nacional dos "Esquerdos Desumanos" do Lula, da Dilma e terroristas associados.
Segundo o Pe. Luiz Bento, o PNDH-3 foi lançado "na penumbra da noite", o que é qualificado como "intransigência e desrespeito para com o povo brasileiro", motivo pelo que a Comissão "espressa firmemente seu repúdio". Em seguida o Pe. Bento enumera as "graves ofensas à sociedade" que o Programa propõe: a legalização do aborto, da união civil de homossexuais e da adoção de crianças por duplas homossexuais, além de outras regalias a gays, travestis e transsexuais; o reconhecimento da prostituição como uma "profissão"; a medida laicista e atéia de exclusão dos símbolos religiosos das repartições públicas; o ensino "com destaque para as religiões africanas" nas escolas; a investigação parcial dos crimes cometidos durante o regime militar, onde os terroristas de esquerda  - muitos dos quais hoje no Governo Lula, inclusive a Sr.a Dilma Rousseff e o Sr. Paulo Vanucchi, que gestaram, junto ao Lula, este projeto aberrante - são santificados.
Rebate, então, o Pe. Luiz Bento:
"Convém explicitar que o povo brasileiro quer ser reconhecido como promotor e defensor da vida e da dignidade do nascituro e tem o direito de assim ser apresentado sem o temor de por este motivo ser considerado subdesenvolvido. Os problemas socioeconômicos como o desemprego, a fome, a pobreza não se resolve com a liberação do aborto. Adicionalmente, sabe-se, cientificamente, que o aborto provocado aumenta o risco para as mães, a morbidade a curto, médio e longo prazo."
E sugere ao Governo medidas mais corajosas para com as mulheres, ao invés destas medidas fáceis, como a legalização do aborto, e que só geram mais problemas: dever-se-ia, no lugar disto, criar "uma política familiar corajosa; atenção à saúde da mulher; melhoria da situação de pobreza; proteção às pessoas nascidas com deficiência; [...] tentar superar a mentalidade inaceitável da hodierna sociedade, de modo particular a cultura sexual que quer separar o uso genital da procriação; [...] ajudar as mulheres grávidas; instituições que apoiem as mães, os filhos e os casais e centros de acolhida à vida", por exemplo, entre outras medidas, que o Governo Lula, abortista e adepto de "soluções" mais fáceis e problemáticas, que nada resolvem, evidentemente não está disposto a adotar.
Quanto à regulamentação da união civil de homossexuais, o Pe. Luiz Bento adverte que esta lei vai contra a normalidade e "estaria criando uma espécie privilegiada de cidadãos", já que a normalidade sexual é a união de homem e mulher. Assim, com uma tal lei institucionalizando o homossexualismo - que, não é demais reconhecê-lo, vai contra a natureza -, alerta o Pe. Luiz Bento que "[a população] poderia tornar-se como que refém e passível de opressão por uma minoria, que, a qualquer momento, poderia alegar suposto preconceito ou discriminação (em razão de prática e atitude sexual que se reprovasse) para fins de aplicação dos dispositivos de lei com trágicas e inteiramente desproporcionais consequências para sua vida pessoal, profissional e familiar".

E, evidentemente, é isto que o Governo Lula pretende fazer, como já demonstrou inúmeras vezes: perseguir aqueles que se opõem à institucionalização da prática homossexual e à elevação das uniões homossexuais ao status de família, quando todos sabem que uma família é formada efetivamente por pai, mãe e seus filhos. O Projeto da Lei da Mordaça Gay que o Lula queria aprovar no país, criminalizando todos os que se opusessem à destruição da família e do matrimônio - bases da sociedade -, é mostra disso; agora vem o PNDH-3 com a mesma idéia, amordaçando os defensores da família e do matrimônio tal como devem ser. Leis como essa - da qual o Governo comunista atual é um vivo entusiasta - só tornam a população reféns de uma minoria e promovem a perseguição religiosa.

E, embora devamos reconhecer, evidentemente, todos os direitos que uma pessoa com tendências homossexuais possua enquanto pessoa humana que é - não enquanto gay,  o que é uma tendência desregrada particular sua, mas enquanto pessoa humana, como já escrevi num dos primeiros textos deste Blog - esclarece o Pe. Luiz Bento que "não há fundamento para privilegiar comportamentos sexuais dissonantes do padrão social usualmente aceito, com graves e inadmissíveis restrições à liberdade de crença, opinião e correspondentes atitudes dos demais" (a propósito, leiam esse outro texto do En Garde!).
"A Sagrada Escritura abre-se com a criação do homem e da mulher à imagem e semelhança de Deus (Gn 1,26-27; Ef 5,31-32) e fecha com as 'núpcias do Cordeiro' (Ap 19,7.9). O matrimônio é uma união indissolúvel entre homem e mulher, instituído por Deus desde a criação do mundo, e sobre esta vontade divina que rege a moral conjugal não pode estar nenhuma lei humana. Por esta razão, a Igreja se opõe, terminantemente, à eliminação de um elo essencial dessa unidade. Por sua vez, a Igreja assegura, convictamente, que a criança tem direito de ser educada na família constituída pelo pai e pela mãe. É através da referência segura e reconhecida dos próprios pais que a criança pode descobrir a própria identidade e amadurecer a própria formação humana. Salientamos que não se trata de discriminação negar às pessoas do mesmo sexo a possibilidade de se casarem, mas de reconhecer e defender o matrimônio como instituição essencialmente heterossexual", ressalta o Pe. Bento.
Por fim, encerrando, seu artigo, o Pe. Luiz Bento afirma que "[o] Programa de Direitos Humanos, do Presidente da República, trata-se de iniciativas que se manifestam em atitudes antiéticas, arbitrárias, agressivas, antidemocráticas, intolerantes, preconceituosas, um atentado à justiça e uma violação à Constituição Federal".

Excelentes palavras as do Pe. Luiz Bento!
Em corolário ao seu enfático artigo, a Comissão Episcopal para a Vida e a Família, por meio de seu Presidente, Dom Orlando Brandes [foto], Arcebispo de Londrina (PR), divulgou uma Nota oficial onde "manifesta sua discordância, indignação ética e repudio às propostas do Programa Nacional de Direitos Humanos" e acusa o PNDH-3 de ser um "retrocesso democrático e de caráter autoritário".
Na Nota, a Comissão é taxativa:
"A dimensão ética defendida pelo Programa, impõe a ditadura da laicidade, não respeita a nação brasileira que é religiosa, fere a lei natural, manipula a autêntica  visão dos Direitos Humanos, transformando-os em direitos arbitrários. Repudiamos toda lei ou doutrina que em nome dos Direitos Humanos, defende o aborto, destrói a família, desrespeita o direito natural e impõe o pensamento de uma minoria. O povo brasileiro já se manifestou em sérias pesquisas, contrário ao aborto, ao casamento de pessoas homossexuais, e elegeu a família como maior bem social.  A democracia e a ética foram gravemente lesadas neste lamentável episódio".
Por fim, a Nota acusa a revisão que foi feita no PNDH na questão dos militares como tendo "interesses eleitoreiros" e afirma que "o que deve ser revista é a ética laicista e contrária a vida, ao matrimônio e à família, defendida neste Programa. Não se pode em nome dos Direitos Humanos defender o direito de matar e de destruir o matrimonio e a família".

Sem dúvidas! O Lula revisou a questão dos militares porque ela não era a mais urgente. O Programa continua ofendendo o matrimônio, a família, a vida humana, a liberdade de expressão e de religião, já que é mais urgente - na linha do marxismo cultural gramsciano - destruir os valores de uma nação, para levá-la ao caos e assim poder implantar um regime autoritário comunista (leiam esse outro texto também).

Minhas mais sinceras felicitações às corajosas intervenções da Comissão Episcopal para a Vida e a Família. Quem quiser escrever à Comissão, felicitando-lhe pela coragem na defesa dos valores de nossa nação, do Evangelho e da liberdade, poderá fazê-lo pelos endereços que se encontram no site da Pastoral Familiar.

Compartilho, contudo, do mesmo espanto que o Jorge Ferraz teve ao não encontrar no site oficial da CNBB - mas apenas no site da Comissão Episcopal para a Vida e a Família, que é um dos organismo da Conferência - estas importantes e enfáticas notas que aqui comentei. Esperemos que a CNBB possa adotar atitudes ainda mais enérgicas na defesa da Vida, da Família e da liberdade de nossa Santa Madre Igreja!
__________________

Clique aqui para ler na íntegra o artigo "O Brasil é pego de surpresa pelo Programa Nacional de Direitos Humanos do Presidente", do Padre Luiz Antonio Bento, Assessor Nacional da Comissão Episcopal para a Vida e a Família da CNBB.


terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Coletânea de textos interessantes contra o PNDH-3

O Blog Pela Democracia, contra o PNDH-3 tem publicado muitos textos de altíssimo relevo e gabarito demonstrando as loucuras totalitárias do Lula no seu Programa Nacional dos "Esquerdos Desumanos". Abaixo, enumero alguns dos que li e achei do maior interesse para os leitores do En Garde! Volto a estimular, como fiz dias atrás, que os leitores do En Garde! se tornem seguidores do Blog Pela Democracia, contra o PNDH-3, para acompanharem estas suas importantes atualizações.
Abaixo alguns textos que merecem ser lidos:

NOTA DO MOVIMENTO NACIONAL DA CIDADANIA PELA VIDA - BRASIL SEM ABORTO: "O maior dos direitos humanos é o direito à vida. A Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU registra que 'Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. (Artigo 3)'. A Constituição brasileira também garante esse direito em cláusula pétrea, em seu artigo 5º. [...] [C]onsideramos importante que o atual governo explicite claramente o seu posicionamento a respeito do aborto, uma vez que isso facilita a formação de opinião do eleitor e sua resposta nas urnas no próximo ano". 


PRESIDENTE DO BRASIL BUSCA GARANTIR ABORTO COMO "DIREITO" E PROIBIR CRUCIFIXOS EM PRÉDIOS GOVERNAMENTAIS: "O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva introduziu um enorme pacote de reforma legislativa no último ano de seu mandato que garantirá o aborto como “direito humano”, imporá a ideologia socialista e homossexual nas escolas e meios de comunicação e proibirá crucifixos em dependências governamentais, entre outras medidas. O programa legislativo, que se chama Terceiro Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), estabelecerá um nível de controle sobre os meios de comunicação e propriedade privada que está sendo chamando de 'golpe de Estado' não violento e 'ditadura' de um partido socialista. O programa provocou protestos generalizados de instituições abrangendo desde a Igreja Católica até a liderança militar, o setor agrícola e até ministros de governo".

 

UM PAÍS DE DIREITA: "Ao sabor dos mais estúpidos interesses políticos, inclusive para satisfazer ao bloco latinoamericano que se bandeou todo para a esquerda, com raras exceções, o decreto assinado por Lula, pretende fazer uma reforma geral nos chamados direitos humanos [...] No caso brasileiro, Lula é um pau mandado de Hugo Chávez, tem medo de que ele se vire contra sua administração, se torne um inimigo verbal, um pavor para Lula que, na verdade, não gosta de discutir com ninguém, adora a unanimidade [...] Ao meio desse ano eleitoral de 2010 vai acontecer o diabo, no Brasil. Esse decreto que cria todo esse reboliço, a respeito das graves alterações na lei de anistia, ao sabor dos interesses mais inconfessáveis da esquerda trepada no poder, comandada á distância por Fidel Castro e seus seguidores, objetivando tumultuar o mais possível as próximas eleições, tem objetivo de eleger Dilma Rousseff de qualquer maneira, esse atraso de saia, que o Brasil, sua sociedade, precisa banir. A eleição de Dilma será uma vergonha par todos nós. Vamos perder nossa identidade de país livre".

 

A FORÇA RURALISTA: "Nunca, antes na história da nação, a sociedade se manifestou de forma tão contundente – quase 90% - contra as invasões do MST, o dobro das manifestações sociais que fizeram as famílias saírem em procissões pelas principais cidades do país convocando as Forças Armadas para tomarem uma providência para impedir que João Goulart transformasse o país numa república sindicalista, eclodindo o movimento militar de 64. [...] A classe ruralista precisa se levantar, mostrar sua força. Ela ainda é responsável por uma das mais unidas lideranças nacionais. Precisa apenas, como o boi, mostrar sua força".

 

DECRETO PRESIDENCIAL TEM BASES DE UM TOTALITARISMO COMUNISTA: "Nesse quadro, a gravidade do decreto é evidente. Há quem o compare ao AI-5, ou o chame de outros nomes semelhantes. De fato, é quase um programa para o estabelecimento de um Estado totalitário, sem qualquer liberdade civil. O controle governamental de mídia e do ensino sempre foram a grande sustentação dos governos totalitários, erigindo seus líderes em figuras de heróis (alguma semelhança com "O Filho do Brasil"?), garantindo assim a fraqueza de qualquer oposição, fomentando na população a idolatria do Estado e de seus líderes. Foi assim com Stalin na URSS, com Hitler na Alemanha, com Mussolini na Itália, como ainda é assim até hoje com Fidel Castro em Cuba, com Hu Jintao na China e com Kim Jong-il na Coréia do Norte. O que aparece como mais atentatório ao cristianismo, à primeira vista, a saber, aborto, união homossexual, adoção por homossexuais, proibição de símbolos religiosos em locais públicos, favorecimento do ensino de religiões não-cristãs no ensino público, na verdade, são apenas meios de enfraquecimento da sociedade através do enfraquecimento de sua religião comum, da família, assim como da propriedade privada, como na questão do privilégio aos invasores de terra, para a preparação para o Estado totalizante".


segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Protestos contra Chavez na Venezuela

Após o fechamento de seis emissoras pelo totalitarista venezuelano, estudantes saem às ruas em protesto. Vejam o vídeo abaixo. Que bom que estão se movimentando!


Curtas diversas - Lula e os governos criminosos. Terremoto no Haiti e Dilma. Cordero, Battisti e a moral dúbia.

- "Lula não deveria se unir a governos criminosos", é o recado da Nobel da Paz iraniana Shirin Ebadi [foto], segundo veicula O Estadão. "Será que ele [presidente Lula] não vê o que está acontecendo nas ruas de Teerã? Como pode fazer amizade com um governo que mata seus jovens e estudantes, sua gente?", pergunta Ebadi. Eu compartilho inteiramente do escândalo da Nobel da Paz diante da amizade realmente vergonhosa entre Lula e Ahmadinejad. Mas não compartilho de nenhuma surpresa. Afinal, Lula sempre foi amigo e andou com totalitários - ele próprio é um totalitário. Lula é amigo pessoal e defensor público de Fidel Castro e de Raúl Castro, que já mataram mais de 17 mil nos paredóns de Cuba. Lula é amigo pessoal de Chávez, que já matou milhares em perseguições no seu país e no favorecimento subversivo das FARC. Lula mesmo, como Olavo de Carvalho constantemente denuncia e as atas do Foro de São Paulo provam, é amigo envolvido até o pescoço com as FARC, e por isso se recusa a condenar esta milícia fascínora como terrorista, insistindo em qualificá-la de "movimento político-social". Qual a surpresa, pois, que Lula tenha amizade com o terrorista anti-semita e anticristão do Ahmadinejad? É escandaloso? É! Mas não é surpreendente. Lula é totalitário, e como "bom" totalitário tem amigos totalitários. Às perguntas da Sra. Ebadi, respondo: Lula vê todas as mortes no Irã, como vê em Cuba e na Venezuela; mas ele simplesmente não liga para isso e se pudesse faria o mesmo no Brasil, contra todos os opositores da sua utopia comunista. As palavras de Ebadi deveriam ser repetidas a altos brados do alto dos telhados:
"Me surpreende que o Brasil... (Ela faz uma pausa, depois, segue exaltada) Será que o povo brasileiro sabe o que o governo iraniano faz nas ruas ou às escondidas? Será que não se pergunta porque seu governo despreza as violações dos direitos humanos no Irã? Me entristeceu muito ver o presidente Lula reconhecer publicamente a vitória de Ahmadinejad para um segundo mandato tão rapidamente. Como pôde fazer isso? Como seu presidente pode se unir a um governo que tortura e mata seus estudantes e jovens, sua gente nas prisões, oponentes e minorias? Diga aos brasileiros que peçam ao presidente que não vá ao Irã ou convide Ahmadinejad ao Brasil. Lula não deveria fazer amizade com governos criminosos".

Acontece que Lula mesmo é um criminoso e amizade com governos criminosos - e com milícias criminosas - é o que ele mais tem! Aliás, ele comanda uma milícia criminosa e um governo despótico: o do PT, o Partido Totalitário. A entrevista da Sra. Shirin Ebadi merece ser lida e refletida com cuidado. E com muito pesar.

- O antiamericanismo megalomaníaco dos petistas chega às raias do ridículo. Quase não acreditei quando li no Reinaldo Azevedo que a gurizada da Dilma está culpando os EUA pelo terremoto no Haiti: os americanos teriam uma máquina de provocar abalos sísmicos; a coisa ainda poderia provocar enchentes e secas (sic!). Risível, não? Vai ver as enchentes em São Paulo foram provocadas pelos EUA e o ventinho que fez barulho no meu quintal agora foi o Obama que mandou porque eu não gosto dele de jeito nenhum... É por uma dessas que a gente pode aferir por onde caminha a mente psicopática desse pessoal. Sinceramente, é cada uma... Quem não acredita - e não os culpo, já que a coisa é de uma idiotice tão tremenda  que parece até brincadeira - pode conferir direto no Blog da Dilma Presidente, que diz ter obtido estas informações de quem? De quem? Da Marinha Russa!! Os magalomaníacos recorrem às informações [nada tendenciosas!] do outro megalomaníaco Putin! E é esse tipo de megalomaníaco que se quer levar de novo ao Planalto... Deus nos livre! Enquanto escrevia isso, o Reinaldo já fez uma sugestão de moda distintiva para esse pessoal.

- O Brasil extraditou o para a Argentina o Coronel Manuel Juan Cordero Piacentini, acusado de torturas e crimes contra a humanidade durante os regimes ditatoriais no sul do continente. Bom? Sim! Muito bom! Um crápula a menos no Brasil! Mas, faço coro ao Reinaldo Azevedo, se Cordero foi extraditado, por que  o terrorista Cesare Battisti tem que ficar no país? É a moral dúbia e relativista dos comunistas: os torturadores seus adversários são os demônios; os terroristas amigos deles são santos. A moral dúbida que "justifica" a saída de Cordero e a permanência de Battisti é a mesma moral dúbida que quer instituir uma Comissão "da Verdade" para investigar e punir somente os militares, mas não os terroristas e guerrilheiros comunistas - a Sra. Dilma "Estela" Rousseff, p. ex. -, como escrevi aqui tempos atrás. A pergunta é: permitiremos que esta moral dúbida, calcitrante e justificadora de criminosos continue a governar o pais?

Os Direitos Humanos do Governo

Por Dom Gil Antônio Moreira, Arcebispo de Juiz de Fora.
12 de janeiro de 2010

É notório o espanto que certos termos do recente Programa Nacional dos Direitos Humanos publicado pelo Governo Lula tem causado à população brasileira. Com certos aspectos positivos, vários pontos são mesmo assustadores e inesperados. Como compreender que uma pretensa intenção de defender direitos humanos inclua a aprovação de leis abortistas?
Onde está defendido o direito da criança que ainda se encontra no seio materno, de nascer, de viver e ter seus demais direitos reconhecidos? Como pode alguém condenar métodos agressivos do tempo do Governo militar e propor a prática de tortura ao agredir os corpos das criancinhas no ato abortivo, em determinados métodos, quando são literalmente dilaceradas até sem anestesia, ou simplesmente eliminadas com outros métodos como se o ser humano pudesse ser descartado como lixo?
Como podem os autores deste problemático Programa semear novamente o clima de terror no País, depois de, anteriormente, ter sido feita lei de anistia? E porque esquecer as atrocidades também praticadas por pessoas da esquerda, com seqüestros, assaltos, mortes em vista de um sistema político que julgavam melhor e desejavam impor ao País? Os fins não podem justificar os meios. Quanto a sistemas políticos alternativos, é bom que se reveja o efeito ineficaz na Rússia, na Polônia, na Albânia, na Alemanha Oriental e em outros países onde o comunismo esteve presente por décadas e os resultados não foram os prometidos e onde os direitos humanos também não foram respeitados.
Há de fato um engano em certas cabeças: desejar comparar marxismo com cristianismo. Entre as duas teorias que parecem sugerir semelhanças, há uma diferença determinante: enquanto Marx diz o que é teu é meu, Cristo prega: O que é meu é teu.
Como pode alguém afirmar a defesa da família e provocar situações que ferem ao real conceito familiar, criando casamentos de pessoas do mesmo sexo, como se tudo fosse igual? Como pode alguém tentar controlar exageradamente a imprensa, retirando do cidadão o direito de protestar contra medidas que agridam aos seus direitos?
Como pode o Governo, em nome de uma pseudo laicidade, impor aos cidadãos um regime ateu, agressivo aos sentimentos religiosos, impedindo de todas as maneiras a prática e a expressão livre da fé? Incomodar-se com símbolos religiosos é próprio de quem não crê e deseja gerir um povo que crê como se fosse obrigado a ser ateu ou a agir como ateu.
O Governo laico é justo quando ele defende o direito dos cidadãos de expressar livremente sua fé, mas é totalmente injusto quando agride a consciência religiosa do seu povo e desconhece a realidade histórica de sua gente, permeada de profundo senso religioso. A seguir da forma que o Programa propõe, daqui a pouco será proibido erguer em praças públicas uma cruz, uma estátua de algum líder religioso, ou construir monumentos à Bíblia, ou edificar templos com características arquitetônicas próprias. Isto são sinais da ideologia ateísta e preconceituosa contrária ao direito dos cidadãos de crer em Deus e de expressar livremente sua religião. É cruel ver que tudo isto vem embutido em pacote sobre o qual se escreve “Direitos Humanos” quando é justamente o seu contrário.
As medidas  publicadas nas vésperas do Natal, dia sagrado para a grande maioria do povo brasileiro, não deixam de assustar a nós Bispos que ouvimos o Presidente da República afirmar de público, na Assembléia da CNBB de 2002, que jamais admitiria em seu governo qualquer medida que agredisse a fé cristã do povo brasileiro e citou, emocionado, a religiosidade genuína de sua digna e saudosa mãe. Como entender isto?


Nota Pessoal: Que bom ver os Bispos do Brasil condenando as sandices do Governo Lula...!!

Dos Arquivos Subversivos - Diário do agente comunista nº 1025: Um Padre

[Traduzi o seguinte texto do Blog St. John's Valdosta, onde possuía o título original de "From the subversive files". Trata-se de excertos do diário de um agente comunista infiltrado no sacerdócio católico. Ora, isto não é nenhuma surpresa. Desde a década de 30 os comunistas vêm infiltrando agentes seus nos seminários, para "destruírem a Igreja a partir de dentro", seguindo a política de ocupação de lugares de Gramsci; todos lembram os casos escandalosos descobertos recentemente dos padres poloneses que colaboraram com a polícia secreta comunista, casos que estão sendo investigados pelo Vaticano. Da mesma maneira, junto com os liberalistas radicais - comunistas e liberais uniram-se contra a Igreja! Surpresa? -, conseguiu-se infiltrar pessoas com tendências sexuais desregradas nos seminários - gays, pedófilos, zóofilos... -,  para corrompê-los moralmente a partir do interior; isto foi provado pelo jornalista investigativo Michael S. Rose em seu livro "Goodbye, good man", que deveria chegar ao Brasil - embora seja surreal imaginar isso... Os excertos seguintes, do diário do agente comunista infiltrado, mostram como os comunistas têm a Igreja Católica como "a mais perigosa inimiga", sendo, portanto, "essencial" para eles dar um "golpe profundo e definitivo" na religião católica. É plano dos comunistas - conforme prova o diário do agente - desviar a religião para a utopia, como fazem os Teólogos da Libertação no Brasil - agentes comunistas também, não tenham dúvidas. Além disso, o plano também era promover o relativismo religioso e a perda do senso de verdade entre os católicos, que agora deveriam "sentir culpa" de estarem na religião verdadeira - exatamente o que caracteriza o católico moderno, temeroso de desagradar ao mundo e às outras religiões, portador de um sentimento de culpa e de vergonha por ser católico e estar na religião que Cristo fundou, ao passo que outros não estão. O objetivo, como afirma o agente, não era extinguir o "sentimento religioso", mas desviá-lo para que ele mesmo, desorientado, se destruísse a si próprio.]

No final dos anos 1960 Marie Carre, uma freira católica que servia como enfermeira em um hospital francês, foi designada para cuidar de um padre, aparentemente eslavo, sem documentos de identificação, que fora fatalmente ferido em um acidente automobilístico. Após sua morte, Marie Carre foi ordenada a revistar suas coisas para identificá-lo. Em sua maleta, ela encontrou um extenso diário, detalhando sua missão como um comunista que deveria tornar-se padre católico para destruir a Igreja por dentro. Seu número de código era 1025, porque ele era o comunista nº 1.025 dos recrutados para o sacerdócio com esta finalidade. Em 1972, seu diário foi publicada como “AA-1025: As Memórias de um anti-apóstolo”.  Abaixo estão alguns trechos, detalhando seus planos para a Igreja:
Logo que entrei no seminário, deveria tentar descobrir como destruir tudo o que me era ensinado. Mas, para fazê-lo, eu teria que estudar atentamente e de forma inteligente - ou seja, sem paixão - a história da Igreja. Eu, particularmente, nunca perderia de vista o fato de que as perseguições somente fazem mártires de quem os católicos teriam motivo para dizer que eram sementes de novos cristãos. Portanto, nada de mártires. Nunca deveria esquecer que todas as religiões são baseadas no medo, o medo ancestral; todas as religiões são nascidos do medo. Portanto, se você suprimir o medo, você suprime as religiões.
(O próximo trecho descreve uma conversa com seu superior, a quem ele chama de "Tio"):
Por isso, disse muito calmamente: "Em vez de lutar contra o sentimento religioso, devemos desviá-lo para uma direção utópica." Ele [o “Tio”] ficou em silêncio,  foi assimilando a idéia. "Bom", disse-me, "dê-me um exemplo."

Eu fiquei com a melhor parte do negócio.

Na verdade, parecia que o mundo inteiro estava em minhas mãos naquele momento. Calmamente expliquei: "Você deve colocar na cabeça dos homens, e particularmente na cabeça do clero, para buscarem, a qualquer preço, uma religião universal na qual todas as igrejas seriam fundidas em conjunto. Assim que essa idéia assuma forma e vida, devemos inculcar nas pessoas piedosas, especialmente os católicos romanos, um sentimento de culpa sobre a única verdade em que fingem viver "... Eu acredito que seja bastante fácil de mostrar os católicos que existem outras pessoas santas entre os protestantes, os muçulmanos, os judeus, etc, etc ... "Vamos admitir isso", ele respondeu-me , “mas e o sentimento que as outras religiões têm?" "Isso vai variar", eu disse, "e eu ainda preciso estudar esse aspecto do problema, mas para mim, é essencial golpear profunda e definitivamente a Igreja Católica. É a mais perigosa".

domingo, 24 de janeiro de 2010

Blog "Pela Democracia, contra o PNDH-3"

Divulgo aqui o Blog "Pela Democracia, contra o PNDH-3". Peço a todos os leitores do En Garde! que se tornem leitores constantes e seguidores também deste Blog, que será  - segundo os organizadores - atualizado diariamente com informações a respeito do PNDH-3 e da resistência a este projeto esdrúxulo e totalitário.
Peço que divulguem o Blog também nas listas de discussão das quais participem.

Guerrilha e Redemocratização

Por Ives Gandra da Silva Martins
(FOLHA DE SÃO PAULO - 22/01/2010)

Pela má qualidade do texto do PNDH-3 e pelo viés ideológico ditatorial, dificilmente essas propostas passarão no Legislativo.


O REGIME de exceção, em que o Brasil viveu de 1964 a 1985, foi encerrado, não por força da guerrilha -que terminou, de rigor, em 1971-, mas principalmente pela atuação da OAB, à época em que figuras de expressão a conduziam, como Raymundo Faoro, Márcio Thomaz Bastos, Mário Sérgio Duarte Garcia e Bernardo Cabral, e de parlamentares como Ulysses Guimarães, Mário Covas e Franco Montoro, entre outros.

Tenho para mim que a guerrilha apenas atrasou o processo de retorno à democracia, pois ódio gera ódio, e a luta armada acaba por provocar excessos de ambos os lados, com mortes, torturas e violências.

Muitos dos guerrilheiros foram treinados na mais antiga e sangrenta ditadura da América (Cuba) e pretendiam, em verdade, apenas substituir uma ditadura de direita por uma ditadura de esquerda.

Os verdadeiros democratas, a meu ver, foram aqueles que, usando a melhor das armas, ou seja, a palavra, obtiveram um retorno indolor à normalidade, sem mortes, sem torturas, sem violências.

A Lei da Anistia, proposta principalmente pelos guerrilheiros, foi um passo importante para a redemocratização, pois possibilitou àqueles que preferiram as armas às palavras a sua volta ao cenário político. A lei, à evidência, pôs uma pedra sobre o passado, sepultando as atrocidades praticadas tanto pelos detentores do poder, à época, como pelos guerrilheiros. E foram muitas de ambos os lados.

Num país em que o ódio tem pouco espaço -basta comparar as revoluções de nossos vizinhos com as do Brasil para constatar que o derramamento de sangue aqui foi sempre muito menor-, tal olhar para o futuro permitiu que o Brasil ressurgisse, com uma Constituição democrática.

Nela, o equilíbrio dos Poderes possibilitou o enfrentamento de crises, como o impeachment, a superinflação, os mais variados escândalos, entre os quais o do mensalão foi o maior, e a alternância de poder sem que se falasse em rupturas institucionais. Vive-se -graças à redemocratização voltada para o futuro, e não para o passado- ambiente de liberdade e desenvolvimento social e econômico próximo ao de nações civilizadas.

O Programa Nacional de Direitos Humanos, organizado por inspiração dos guerrilheiros pretéritos, pretende, todavia, derrubar tais conquistas, realimentando ódios e feridas, inclusive com a tese de que os torturadores guerrilheiros eram santos, e aqueles do governo, demônios.

Essa parte do plano foi corrigida, tendo o presidente Lula admitido que, se for criada a comissão da verdade, há de apurar tudo o que de excessos foi praticado naquela época -por militares e guerrilheiros. Tenho a impressão de que isso não será bom para a candidata Dilma Rousseff.

O pior, todavia, é que o programa é uma reprodução dos modelos constitucionais venezuelano, equatoriano e boliviano, todos inspirados num centro de estudos de políticas sociais espanhol, para o qual o Executivo é o único Poder, sendo o Judiciário, o Legislativo e o Ministério PúblicoPoderes vicários, acólitos, subordinados.

No programa, pretende-se fortalecer o Executivo, subordinar o Judiciário a organizações tuteladas por "amigos do rei", controlar a imprensa, pisotear valores religiosos, interferir no agronegócio para eliminá-lo, afastar o direito de propriedade, reduzir o papel do Legislativo e aumentar as consultas populares, no estilo dos referendos e plebiscitos venezuelanos, além de valorizar o homicídio do nascituro e a prostituição como conquistas de direitos humanos.

Quem ler a Constituição venezuelana verificará a extrema semelhança entre os instrumentos de que dispõe Chávez para eliminar a oposição e aqueles que o PNDH-3 apresenta, objetivando alterar profundamente a lei maior brasileira.

O programa possui, inclusive, "recomendações" ao Judiciário sobre como devem os magistrados decidir as questões prediletas do grupo que o elaborou, à evidência, à revelia de toda a população e do Congresso. Pela má qualidade do texto e pelo viés ideológico ditatorial, dificilmente essas propostas passarão no Legislativo. Se passarem, creio que o Supremo barrará tudo aquilo que nele fere as cláusulas pétreas constitucionais e os valores maiores em que a sociedade se lastreia.

Certa vez, ao saudoso crítico Agripino Grieco um amigo meu (Dalmo Florence) apresentou livro de poesia recém-lançado, pedindo-lhe a opinião. No dia seguinte, Agripino disse-lhe: "Dalmo, li o livro de seu amigo e aconselho a queimar a edição e, em caso de reincidência, o autor". Sem necessidade de adotar a segunda parte do conselho agripiniano, a primeira seria admiravelmente aplicável a esse programa de direitos desumanos.

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, 74, advogado, professor emérito da Universidade Mackenzie, da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e da Escola Superior de Guerra, é presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomercio.