domingo, 10 de janeiro de 2010

As Profecias de Paulo VI - Elas se realizam bem antes de 2012...

Li ontem no St. John's Valdosta Blog e trago cá para o En Garde!: as profecias do Papa Paulo VI [foto] na Encíclica Humanae Vitae, sobre os métodos contraceptivos e a regulação da natalidade, foram ignoradas por católicos e governantes; hoje pagamos por esta negligência.

Quem o ressalta é o Pe. Thomas Euteneuer, Presidente do Human Life International.
O primeiro que nota o Pe. Euteneuer é que a contracepção leva à infidelidade conjugal. "Não é difícil de perceber, certo? Quando você separa os filhos do ato conjugal não há nada naquele ato que o caracterize, realmente, como conjugal. Fornicação (pré-matrimonial) e adultério (extra-matrimonial) tiveram sua explosão [skyrocketed] com a massiva prática da contracepção". E, com efeito, foi justamente isso que Paulo VI, em sua Encíclica, no número 9, traçou: o amor dos esposos é fiel e exclusivo na medida em que é também fecundo, ensina o Papa; isso ocorre pelo fato notório de que o filho é o dom mais excelente do matrimônio e também aquilo que mais une os esposos, dado que o filho os faz realmente uma só carne: é no filho, carne una originidade da união dos esposos, que se cumpre o que é dito em Gênese 2,24, sobre homem e mulher formarem uma só carne. A profecia de Paulo VI sobre a infidelidade que decorreria da contracepção é clara:
"Considerem, antes de mais, o caminho amplo e fácil que tais métodos abririam à infïdelidade conjugal e à degradação da moralidade. Não é preciso ter muita experiência para conhecer a fraqueza humana e para compreender que os homens - os jovens especialmente, tão vulneráveis neste ponto - precisam de estímulo para serem féis à lei moral e não se lhes deve proporcionar qualquer meio fácil para eles eludirem a sua observância" (n.17).

Ora, e não é justamente isso que acontece hoje? Quantos divórcios, quantos adultérios! Quanta traição entre esposos (e namorados que fornicam diariamente também)! Retirar o filho do ato conjugal é retirar seu sentido mais profundo e, com isso, destruir a fidelidade que uniria os esposos.
Mas, prossegue o Pe. Euteneuer, Paulo VI previu ainda, como visto acima, a "degradação da moralidade". Profetizou o sábio Pontífice:
"É ainda de recear que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito pela mulher e, sem se preocupar mais com o equilíbrio físico e psicológico dela, chegue a considerá-la como simples instrumento de prazer egoísta e não mais como a sua companheira, respeitada e amada" (idem).

Alguém duvida que isto aconteça? Não é exatamente o que vemos hoje: a mulher transformada num mero instrumento de prazer egoísta por um cafajeste? A mulher desrespeitada, mal-amada e não mais vista como companheira? E eu diria mais: a recíproca é verdadeira! As mulheres também vão transformando os homens nisso. A degradação moral hodierna é dos dois lados. E que grande responsabilidade tem sobre isso o uso de contracpetivos: retirando do ato sexual seu sentido mais profundo, o filho, os corpos dos esposos perdem sua união e se tornam, um para o outro, objetos de prazer para uso egoístico. E o Papa Paulo VI previu isso! Alguém duvida que aconteça? Alguém não vê que é exatamente o que acontece? Nós não demos atenção ao Papa, e hoje pagamos justamente o preço que ele previu que pagaríamos: uma degradação moral generalizada, semelhante (ou pior) àquela que toda civilização experimentou antes de sua queda completa.

"Paulo VI disse que a contracepção levaria os homens a cessarem seu respeito pelas mulheres em sua totalidade e os provocaria a tratá-las mais como 'meros instrumentos de prazer egoísta' do que como esposas amadas. Esta profecia vingou de forma mais clara tempos depois na pornografia, o mais lucrativo negócio no mundo moderno. Toda a indústria pornográfica é especialmente dedicada ao 'divertimento egoísta' do homem", comenta o Pe. Euteneuer [foto].
Profetizou, ainda, o Papa Paulo VI que os contraceptivos seriam poderosos instrumentos nas mãos de governos totlitários:
"Pense-se ainda seriamente na arma perigosa que se viria a pôr nas mãos de autoridades públicas, pouco preocupadas com exigências morais. Quem poderia reprovar a um governo o fato de ele aplicar à solução dos problemas da coletividade aquilo que viesse a ser reconhecido como lícito aos cônjuges para a solução de um problema familiar? Quem impediria os governantes de favorecerem e até mesmo de imporem às suas populações, se o julgassem necessário, o método de contracepção que eles reputassem mais eficaz? Deste modo, os homens, querendo evitar dificuldades individuais, familiares, ou sociais, que se verificam na observância da lei divina, acabariam por deixar à mercê da intervenção das autoridades públicas o setor mais pessoal e mais reservado da intimidade conjugal".

Que visão teve Paulo VI! Alguém pensou na China e sua política do filho único - e morte aos outros - durante a leitura desse trecho? Alguém pensou nas constantes ingerências dos Governos deste mundo em prol da legalização do aborto - esse crime hediondo - como meio de regulação da natalidade? Ou o "aborto como questão de saúde pública", segundo o famigerado Governo Lula?
"O Santo Padre afirmou que a aceitação massiva da contracepção pelos casais levaria a sua imposição por governos inescrupulosos. Ele predisse, em outras palavras, que a contracepção passaria de 'uma escolha pessoal' para arma de destruição em massa. E como tragicamente esta profecia se cumpriu nos controles populacionais e nos programas de esterilização forçada, nas cotas de redução da fertilidade e na promoção do aborto literalmente em todo o mundo!", comenta o Pe. Euteneuer.
Paulo VI previu tudo! E nós o ignoramos.
Que penas caem sobre o mundo hoje? Degradação moral total, infidelidade conjugal, totalitarismo e ingerência de governos maldosos sobre as famílias, aborto. E a crise econômica, que, como Bento XVI muito bem salientou em sua Encíclica Caritas in Veritate, tem parcela de sua origem na redução da natalidade.
E aí? Continuaremos do mesmo jeito?
Sinceramente, lendo a Humanae Vitae e observando a situação atual, eu acho que precisamos mudar. E já.

2 comentários:

  1. Pax!

    Cheguei no seu blog pelo Deus Lo Vult e gostaria de agradecer a tradução do artigo! É um tema tão importante, e que deve ser pregado "deste os telhados".

    paz

    Julie Maria

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, caríssima Julie Maria!

    Este tema importantíssimo precisa, sim, ser anunciado em todo canto e a toda hora. É um dos responsáveis pela grande imoralidade que existe hoje em dia.

    Aqui no En garde! encontrarás outros textos que talvez te interessem, sobre feminismo, feminilidade, caráter, virilidade, etc.

    Meu cordial abraço!

    ResponderExcluir