sábado, 2 de janeiro de 2010

Desrespeito aos mortos na Venezuela: sinal da desumanização provocada por um regime desumano

Saiu no UOL uma notícia de The New York Times: "Na Venezuela, nem mesmo a morte é garantia de paz". "Acompanhando os crescentes níveis de assassinatos e sequestros da Venezuela, os cemitérios são o cenário para uma nova onda de crimes. Ladrões de sepulturas as estão saqueando em busca de ossos humanos, suprindo a demanda de alguns praticantes de uma religião cubana de rápido crescimento chamada Palo - que usa ossos em suas cerimônias. Os críticos afirmam que a situação nos cemitérios reflete um colapso social, onde a impunidade está disseminada. Os crimes violentos e a corrupção policial no país estão impregnados, mesmo com o presidente Hugo Chávez pedindo pela criação de um 'novo homem' - como parte de sua revolução inspirada no socialismo", afirma a notícia.
Terrível a situação descrita. Comoveu-me o relato da mulher que foi visitar o túmulo de sua genitora no dia das mães e, ao chegar lá, encontrou o caixão aberto e percebeu a falta do crânio da defunta.
Esta circunstância calamitosa deve nos fazer refletir.
O desrespeito para com os mortos é o primeiro sinal da degeneração completa de uma sociedade prestes a desmoronar. "'O cemitério se tornou um emblema icônico de nossa tragédia nacional', disse Fernando Coronil, respeitado antropólogo venezuelano", relata a notícia. E é verdade. Conversava com um amigo a respeito e ele me dizia que todas as grandes civilizações, antes de seu desaparecimento, demonstraram desrespeito e descuido para com os mortos; basta ver egípcios, incas, maias, astecas: em suas épocas de glória constroem grandes pirâmides, majestosos túmulos e mausoléis; e na sua decadência, descuidam-se desta grande pompa e deferência para com os defuntos, que um dia demonstraram.
O que acontece na Venezuela nada mais é do que reflexo disso: um regime desumano "desumaniza" a sociedade. E o desrespeito para com os mortos é um sinal claríssimo de uma sociedade degenerada, que perde sua bússola moral; a inimizade cultivada pelo regime chavista para com o Cristianismo é o motivo máximo desta decadência: rejeitadas as raízes cristãs que nutriram a Venezuela desde sua fundação, perde-se o que de mais caro e valioso há para a nação. O Cristianismo tem a morte como o caminho para Deus; Cristo, morrendo, abre com Sua Morte as portas do Céu; a morte ganha um novo significado, um significado redentor e de união com Deus. A perda desta significado - provocada pela inimizade para com o Cristianismo - provoca o que acontece na Venezuela nesta exato momento: profanação de túmulos e decadência moral.
Por que acham que nazistas e comunistas enterravam milhares de mortos em valas comuns, amontoando uns em cima dos outros, sem nenhum respeito pelos corpos que um dia já portaram vida? Os motivos são exatamente os mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário