domingo, 28 de março de 2010

Revistas alemãs oferecem até 1 milhão de euros para quem caluniar o Santo Padre.

Mídia laicista  alemã começa a incentivar calúnias contra o Santo Padre Bento XVI. Segundo o Site alemão Kreuz.net a revista ale "Der Spiegel” está oferecendo 1 milhão de Euros para quem caluniar o Santo Padre de abusos sexuais. O objetivo é levantar uma onda de difamações contra o Sucessor de Pedro. A revista Schmiermagazine está oferecendo os mesmos valores a ex-seminaristas que foram alunos do Santo Padre nas décadas de 60 e 70 que caluniarem o Romano Pontífice por abusos.
O intuito destas revistas é a calúnia e a difamação, eles querem que alguém acuse o Papa para levantar rumores e suspeitas, não lhes interessa a verdade, apenas atacar a moral do Pontífice.
Veja você mesmo.


Kreuz.Net
Gloria.Tv

***
Vocês percebem, irmãos, a motivação?

Dá para acredidar em tudo que é publicado com esse tipo de “incentivo” capaz de atrair inimigos da Igreja e supostas vítimas, ávidas por Euros?

Fonte: Blog Shalom

sábado, 13 de março de 2010

Senador Nigel Farage denuncia arroubos globalistas do Presidente da União Européia

Aplausos para o Senador Farage! Quanta coragem em suas palavras! Vejam o vídeo. Agradeço aos que o legendaram (créditos no próprio vídeo).

Ditadura homossexual se aproxima

DISCRIMINAÇÃO POR ORIENTAÇAO SEXUAL PODERÁ SER PENALIZADA COM MULTA DE ATÉ R$ 182 MIL

Flavia Prazeres 

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou nesta terça-feira (02) a constitucionalidade e a legalidade do Projeto de Lei n° 639/2009, que impõe penalidades no caso de discriminação em razão de orientação sexual. Na primeira vez, o cidadão que discriminar alguém em razão de sua preferência sexual será advertido. Uma nova ocorrência implicará em multa de 1.000 Unidade Padrão Fiscal (UPF), o equivalente a R$ 60,7 mil. Havendo reincidência, a multa aplicada será de 3 mil UPF, que pode ultrapassar a R$ 182 mil.

Entre as ações que poderão ser penalizadas, caso a lei entre em vigor, está a de causar constrangimento, exposição à situação vexatória ou tratamento diferenciado a gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e travestis. O projeto também se aplica no caso de práticas violentas, motivadas por orientação sexual, assim como, na comercialização de produtos ou distribuição de símbolos ou propagandas que possam incitar de alguma forma o preconceito.

De acordo com a justificativa apresentada pelos autores: Péricles de Mello, Tadeu Veneri e Professor Lemos, o Brasil estaria entre o País com maior índice de homofobia e, que por isso, seria necessário a adoção de políticas públicas de promoção da cidadania e dos direitos humanos.

A penalidade poderá ser aplicada a todo e qualquer cidadão que praticar a discriminação em virtude de orientação sexual, inclusive detentores de função pública, civil ou militar, e toda organização social ou empresa, com ou sem fins lucrativos, de caráter privado ou público, instaladas neste Estado.

O cidadão que se sentir discriminado deverá abrir um processo administrativo, que terá início mediante a reclamação do ofendido ou ofendida; ato ou ofício de autoridade competente; comunicação de organizações não-governa­mentais de defesa da cidadania e direitos humanos. A denúncia poderá ser feita pessoalmente ou por carta; telegrama; via internet; fax ou junto a órgão estadual competente e/ou as organizações não-governamentais de defesa da cidadania e direitos humanos.

Conforme o projeto, a denúncia deverá ser fundamentada por meio da descrição do fato ou ato discriminatório, seguida da identificação de quem faz a denúncia, que deverá ser mantida em sigilo. A seguir, a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania promoverá a instauração do processo administrativo devido para apuração, impondo as penalidades cabíveis, desde que seja garantida a defesa dos denunciados.

Inicialmente, a pessoa que discriminar alguém por conta da orientação sexual será advertida. Numa segunda vez será multado em 1 mil UPF e, havendo reincidência, será multado em 3 mil UPF. As multas podem chegar a R$ 182 mil. No caso do estabelecimento, a discriminação pode ser penalizada com a suspensão por 30 dias da licença estadual para funcionamento, podendo ser cassada no caso de reincidência. Entretanto, essas punições não serão aplicadas a órgãos ou empresas públicas, que deverão ser enquadrados na forma do Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado do Paraná.

O projeto também prevê que as multas sejam elevas em até dez vezes, quando for verificado que, em razão do porte do estabelecimento, não resultaram no efeito esperado, o de coibir a discriminação.

O projeto de lei será analisado pelas demais comissões permanentes e depois irá à votação plenária.

Fonte: Assessoria de Imprensa da ALEP/4133504188/divulgacao@alep.pr.gov.br 
 
Retirado de: Notícias Lepanto

domingo, 7 de março de 2010

Desenhos anti-nazistas da Disney

Os desenhos são de 1943. São simplesmente espetaculares! Depois pretendo comentá-los melhor. Divirtam-se!


quinta-feira, 4 de março de 2010

A criatura contra seu Criador

por Dom Aloísio Roque Oppermann, Arcebispo de Uberaba - MG
Tempos houve, em que os cristãos de nosso país, possuídos dos mais nobres desejos, descobriram, finalmente, de que forma poderiam vencer os opressores do nosso povo e chegar à bem-aventurança da libertação plena. O instrumento, usado pela Igreja, era frágil. Segundo seu método, o caminho é a abordagem interna, é a conversão pessoal, para daí partir para a mudança social. Isso é muito demorado. Descobriu-se a solução do problema. O socialismo, mais ágil e mais ousado, tradicionalmente agnóstico, usava o método da imposição. Seriam apenas males menores. Esse caminho, no entanto, levaria à mudança das estruturas, e exigiria, apenas por um tempo breve, o cerceamento das liberdades, e o sacrifício de algumas cabeças livres. Desse conúbio nasceu aqui no Brasil, um grande partido político, destinado a se tornar a “redenção nacional”. Seria a associação dos cátaros no meio da selvageria da corrupção.
Não é possível, entretanto, fugir às leis da hereditariedade, de Mendel. Os filhos dessa união, são irreconhecíveis. É que os caracteres do socialismo são dominantes, e os da Igreja, recessivos. Dentro do esquema, o PNDH-3, gestado pelo partido, (na verdade uma nova Constituição), advoga: liberação total do aborto; nenhum funcionário público poderá mais ser cristão;  os símbolos religiosos serão retirados de ambientes públicos; não haverá mais liberdade de imprensa; a liberdade religiosa será sumamente restrita; haverá total apoio aos casamentos homossexuais. A origem longínqua desses “direitos humanos” deve ser procurada nos porões dos pensadores anglo-americanos, cujas idéias foram endossadas pelas miríades de ONGs internacionais (vinculadas ao projeto), e vejam, sob os auspícios  da ONU, que sonha com os braços longos dessa lei, para tentar um governo mundial. O que me causa espécie, é constatar que, apesar das evidências, malgrado as palavras claras do governo, em que pese a audácia dos dirigentes políticos, a maioria das pessoas (adormecidas pela propaganda?), acham o malfadado programa, um progresso. Aí incluo clérigos ingênuos, alguns formadores de opinião, vários líderes de outras denominações cristãs. “Senhor, livrai-nos do mal”  (Mt 6, 13).