quarta-feira, 9 de junho de 2010

Por que não um Alcorão, Lady Gaga?

No seu novo clipe, Alejandro, a Lady Gaga tem a audácia de profanar o Santo Terço e a Cruz de Cristo. No vídeo (do qual dou apenas o link, mas não coloco no Blog para não conspurcá-lo), a cantora imitona da Madonna engole um Terço, se fantasia de freira em meio a cenas de simulação de sexo e ainda usa uma escandalosa calcinha com uma cruz de cabeça pra baixo, apontando para o centro da genitália. A profanação é ridícula, imoral, baixa e imbecil.
E por que não um Alcorão, Lady Gaga? Por que não engole os versos de Maomé? E por que, ao invés de se vestir de freira, não usa uma burca no meio daquela Sodoma encenada no vídeo? Medinho, é?
Não que esteja estimulando estas práticas, mas só vejo estes deboches com os cristãos.
Porque brincar com cristão é fácil. Debochar de nós é moda, porque sabem que não revidaremos na mesma moeda. Além disso, é muito fácil bater em quem a turba inteira já está batendo, em quem já está ferido!
Seguir a moda é fácil, Lady Gaga! Mas a senhorita [ok, é respeitoso demais chamá-la assim... mas vamos lá] a senhorita sabe muito bem que seguir a moda é fácil, já que em tudo só faz imitar a Madonna... Até na profanação à cruz! Não é, Madonninha?
Mas o que se pode esperar de uma senhorita com cara de ébria, pálida e desprovida de corpo, que se veste de robô ou de giroscópio [foto] e se deita numa cama esfregando-se com milhares de homens?

Nada mais que isso.
E a música nem é boa.
Para os hebreus, tanto vender o próprio corpo para atos libidinosos quanto idolatrar  outros deuses e profanar o Deus verdadeiro podiam ser designados pelo mesmo vocábulo de "prostituição". Tratando-se da Lady Gaga, a palavra agora também pode ser usada nos dois sentidos. Porque desde sempre ela pôde ser utilizada num sentido só... 
;)

2 comentários:

  1. Eu tenho uma boa sugestão de clipe pra ela:

    O cenário imitaria a Mesquita de Meca, com a Caaba ao fundo.Aquela charge de Maomé que rendeu tanta confusão estaria estampada em tamanho gigante em algum lugar bem visível.

    Enquanto canta seus versos de qualidade musical duvidosa a cantora estaria seminua, cobrindo suas "vergonhas" (como diria Caminha) com uma calcinha estampada com a Shahada, que é o símbolo mais sagrado para os islâmicos. Tudo isso enquanto simula uma cena de sexo com um sósia do Aiatolá Khomeini.

    P.S.: não estou querendo insultar os muslins apenas desafiando a "artista" para ver se a dita cuja tem mesmo tanto "espírito revolucionário" ou se tem apenas vontade de aparecer

    ResponderExcluir
  2. Foi só eu que percebi que o cabelo dos dançarinos lembra uma tonsura?

    ResponderExcluir