sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Minha declaração de voto para Presidente no 2º Turno - Vou de Serra, 45

O Brasil vive um momento histórico, memorável, em que a moral e a religião tiveram seu lugar reconhecido na vida pública. Num país de população majoritariamente católica e conservadora, é ridículo que alguns queiram relegar a religião ao esquecimento sob a desculpa esfarrapada de "Estado laico": laico é o Estado, mas não  é ateu e o povo é religioso.

A candidata comunista, apesar do amplo uso da máquina estatal inchada de petistas, não logrou sua vitória no primeiro turno das eleições. A derrota, sequer esperada, deixou os petistas como que loucos. E o motivo, como hoje é de sabença geral, foi uma questão moral: o aborto. E quem disse "não" ao PT abortista foi esse povo brasileiro, conservador e religioso. Fizeram valer o nome desta nação: Terra de Santa Cruz.

Neste 2º Turno o quadro que se delineia não é dos melhores, porque o Serra e o PSDB não são das melhores oposições que possa existir; na verdade, sequer os vejo como uma oposição.

Mas eu vou votar no Serra. Não que ele ou o PSDB o mereçam; vou votar simplesmente para brecar o PT e, se possível - e se for da Vontade de Deus -, inflingir-lhes uma derrota.

Nunca vou perdoar o PT por me fazer votar no Serra, mas essa é a única opção no momento.

Não gosto do Serra, mas gosto do Índio da Costa. Parece-me um líder político no qual vale à pena investir como proposta conservadora para o futuro. Suas intervenções nesta campanha foram bastante corajosas e oprtunas. É nome novo e promissor. Na questão do aborto, vou confiar no compromisso que ele assinou, contra o aborto.
Nas demais questões, espero que Serra e Índio desmantelem a máquina totalitária que o PT programou ao longo de oito anos, e que tem feito este país caminhar para o buraco das ditaduras comunistas, junto da Venezuela, Bolívia e Cuba, segundo o plano internacional do Foro de São Paulo. Se Serra e Índio não o fizerem, ruim para todos, mas principalmente para eles dois, que tiveram o poder em mãos para fazê-lo: serão os primeiros a sofrer as conseqüências de qualquer omissão. Mas vou dar meu voto de confiança.

A derrota do primeiro turno desmoralizou o PT. Que saia ainda mais desmoralizado agora, no 2º Turno, perdendo as eleições diante da oposição desta população cristã e conservadora que ainda é majoritária neste país. O meu voto em Serra não será pelo Serra: será um voto contra o PT e contra o projeto totalitário do Foro de São Paulo, do qual o PT é mentor e principal propagador.

Importa simplesmente inflingir-lhes uma derrota e brecar o avanço deste projeto totalitário.

Confiarei, ainda, nas pessoas que, dentro do PSDB, são realmente conservadoras, são realmente oposição e entendem a gravidade da situação, como o pessoal do Movimento Franco Montoro. Espero que consigam matizar o socialismo gramsciano da ala FHC-Serra, que tanto mal cultural causou quando estiveram no poder. Meu voto em Serra é mais um voto nestas pessoas realmente conservadoras que estão dentro do PSDB - e elas existem - do que no candidato.

Não sei se o Serra ganhará. Independentemente disto, por questão de consciência, votarei nele como voto contra o PT.

Ontem o Papa falou aos Bispos e fiéis brasileiros. Sua Santidade lembrou que é dever dos católicos votarmos em prol do bem comum. O projeto totalitário petista, se continuar seu avanço, definitivamente será o extremo oposto do bem comum. Inflingir-lhes uma derrota agora é barrar este processo e desmoralizar-lhes, fazendo valer o esforço do Papa e dos bons Bispos deste país em nos alertarem.

Em obediência à Sua Santidade, votarei na única possibilidade materialmente concreta de barrar o avanço do PT: dia 31 de outubro votarei Serra, 45.

É a minha declaração de voto.

Repercussão extraordinária do discurso de Sua Santidade aos Bispos do Brasil

O discurso de Sua Santidade teve uma das maiores repercussões da história, no Brasil e no exterior. Na história recente da Igreja, é umas das primeiras vezes que um Papa é tão explicito à população católica de um país sobre que posição devem tomar - única posição coerente com a doutrina católica, aliás: contra o aborto, contra o totalitarismo, em favor da vida e da liberdade.

Também é uma das primeiras vezes em que o discurso de um Papa foi chamada em todos os grandes jornais do país. Foi manchete na Folha de S. Paulo, no Estadão, no Jornal Nacional e n'O Globo; saiu também no IG, na Veja, no Reinaldo Azevedo (AQUI e AQUI). Fora do país, repercussão no El País, da Espanha, e até o jornal dos comunistas da Itália, L'Unità - fundado por Gramsci! -, fez uma avaliação positiva, como um convite do Papa à coerência.  No Twitter, o Papa esteve em primeiro lugar pela manhã nos TT Global.

Mas o furo mesmo foi da Gazeta do Povo. A matéria de Márcio Antônio Campos e Rogério Galindo trouxe o discurso do Papa no dia mesmo em que foi proferido, dando o estalo inicial para que todos os outros jornais repercutissem as palavras do Supremo Pastor. Parabéns à Gazeta do Povo e a Márcio A. Campos  e Rogério Galindo pelo trabalho.

Foram cobradas posições de Dilma e Lula. A candidata soltou a infeliz frase - mais uma! - de afirmar que o que disse Sua Santidade - nada mais que repetindo a Doutrina da Igreja - era "a crença do Papa". Não, Dilma! É a crença do Papa e de mais de um bilhão de pessoas no mundo, das quais ele é Pastor! O Papa só repetiu e cobrou coerência com o ensino bimilenar da Igreja. Já Lula, pela primeira vez, disse algo que prestasse: afirmou que as palavras do Papa eram apenas o que a Igreja ensinava há dois mil anos. "Nunca antes na história destepaiz" o Lula tinha dito algo tão correto; desta vez acertou em cheio: Sua Santidade só repetiu o ensinamento da Igreja e cobrou dos Bispos e fiéis coerência com a sua Fé na hora do voto e em toda ação política - e coerência política com a Fé Católica significa repúdio à cultura de morte e ao comunismo, amplamente condenados pela Igreja. Também José Serra manifestou-se, afirmando ser um alento ouvir as palavras do Papa em defesa da vida.

Mesmo a CNBB - agora posta contra a parede - veio em defesa do discurso do Papa e agora esclarece que todo Bispo tem o direito - e o dever! - de orientar seus fiéis, mesmo em questões políticas.

D. Demétrio Valentini e aqueles outros Bispos que rasgavam as vestes contra D. Luiz Gonzaga Bergonzini, Dom Aldo Pagotto e Dom Beni, entre outros, agora se calaram. E não é para menos: depois de ontem, a moral está - como sempre esteve, e agora mais do que nunca - com Dom Bergonzini e seus irmãos que lhe apoiaram.

Um viva a D. Luíz Gonzaga Bergonzini e aos Bispos corajosos deste país!

Um viva maior ainda a Sua Santidade, o Papa Bento XVI, pela coragem e firmeza, pelo alento que nos prestou nesta hora tão dramática de nossa história.

Mais do que nunca, hoje posso dizer: o Papa é meu pai.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Bento XVI aos Bispos do Brasil - A responsabilidade moral dos católicos diante da injustiça

Ressoa a voz do Princípe dos Apóstolos. Caminha pelos ares, retumbante, o verbo do Pastor Angélico. É o Sucessor de Pedro, Pai e Mestre de todos os cristãos, a dizer-nos agora: os católicos, mormente os pastores, têm a responsabilidade moral de denunciarem e contrariarem toda injustiça, todo atentado à dignidade do homem e aos direitos de Deus e da Igreja.

No discurso aos Bispos do Regional Nordeste 2, proferido há poucos minutos, Sua Santidade deu um recado claro aos Bispos e aos fiéis brasileiros diante do momento tenebroso que se aproxima: não podemos nos omitir; mais que isso, não podemos ser cúmplices da cultura de morte e do ódio a Nosso Senhor Jesus Cristo, que se quer implantar nesta Terra de Santa Cruz.

Em seu discurso, é desejo do Papa 
falar de como a Igreja, na sua missão de fecundar e fermentar a sociedade humana com o Evangelho, ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina.
Para ódio dos laicistas e intolerantes - aqueles que pedem tolerância para todos e, quando se trata dos cristãos, impõem mordaças; aquela paradoxal intolerância dos tolerantes - diz o Papa que a Igreja deve fecundar e fermentar a sociedade. Essa é a missão que o próprio Cristo nos confiou, ao dizer que o Seu Reino cresce como a massa fermentada: é o compromisso com o Reinado Social de Nosso Senhor que nos impele a falar e a denunciar as injustiças contra os mais indefesos e fracos, contra os filhos de Cristo e da Igreja. Bento XVI relembra o que já dissera ao ateu Paolo Flores D'Arcais: os cristãos falam porque sabem que sua mensagem tem uma importância para o mundo; e isso não lhes pode ser tirado.
Política e fé se tocam. A fé tem, sem dúvida, a sua natureza específica de encontro com o Deus vivo que abre novos horizontes muito para além do âmbito próprio da razão. «Com efeito, sem a correção oferecida pela religião até a razão pode tornar-se vítima de ambigüidades, como acontece quando ela é manipulada pela ideologia, ou então aplicada de uma maneira parcial, sem ter em consideração plenamente a dignidade da pessoa humana» (Viagem Apostólica ao Reino Unido, Encontro com as autoridades civis, 17-IX-2010). Só respeitando, promovendo e ensinando incansavelmente a natureza transcendente da pessoa humana é que uma sociedade pode ser construída. Assim, Deus deve «encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, econômica e particularmente política» (Caritas in veritate, 56), ensina o Papa, numa defesa contundente do Reinado Social de Cristo.
 Para fecundar e fermentar a sociedade, a Igreja ensina ao homem sua dignidade de filho de Deus. Por ser filho de Deus, não podemos tolerar que a dignidade do homem venha a tripudiada e com isso ficarmos calados. Podem apreender panfletos, mas não calar nossas bocas!

Sua Santidade vem dizer-nos que os leigos têem uma missão na linha de frente nesta luta pelos valores cristãos e pela ordem natural:
O dever imediato de trabalhar por uma ordem social justa é próprio dos fiéis leigos, que, como cidadãos livres e responsáveis, se empenham em contribuir para a reta  configuração da vida social, no respeito da sua legítima autonomia e da ordem moral natural (cf. Deus caritas est, 29).
Aos Bispos afirma: é dever dos Pastores ensinar suas ovelhas, inclusive orientando-as em questões polítcas, quando se fizer necessário ao bem comum e à defesa dos direitos do homem, de Deus e da Igreja:
O vosso dever como Bispos junto com o vosso clero é mediato, enquanto vos compete contribuir para a purificação da razão e o despertar das forças morais necessárias para a construção de uma sociedade justa e fraterna. Quando, porém, os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem, os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas (cf. GS, 76).
Que dirão agora Bispos como D. Demétrio Valentini, que rasgaram as vestes diante da corajosa atitude de D. Luiz Gonzaga Bergonzini, de D. Beni, ao denunciarem o abortismo do PT? Que dirão estes Bispos, que sempre usaram a religião para promoção do comunismo, e que agora criticam estes Pastores por "uso eleitoral da religião", quando não fizeram nada mais que relembrar o óbvio: católico não vota em abortista?

Está dado o recado do Papa: D. Luiz está certo e D. Demétrio errado! Da próxima vez façam como D. Luiz!

Bento XVI vem dizer que é dever da Igreja, é missão sua, orientar seus fiéis, inclusive em questões políticas, quando assim o exija a defesa dos direitos de Deus e do homem.

Sobre o direito fundamental à vida, contra o aborto e demais mazelas da cultura de morte, Sua Santidade vem relembrar-nos que não é possível defender o crescimento econômico, a erradicação da pobreza, ou qualquer outra coisa se não se defende, antes de tudo e em primeiro lugar, o direito inalienável de todo ser humano à vida. Ora, se não for garantido o direito mais fundamental, o direito à própria vida, o que mais se garantirá? Sem vida não há nada. Assim, não é possível justificar os fins pelos meios: nenhum bem pode vir se não há compromisso primeiro com a vida humana. Nenhuma política se justifica quando já traiu o próprio compromisso com a vida humana.
Seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático - que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana - é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vita, 74).
Bento XVI como que sacode os Bispos omissos, aqueles que se calam ou, ao invés, ostentam discursos flexíveis ou neutros demais, com medo da perseguição e da impopularidade. Ora, o Cristianismo é uma opção radical por Cristo e não pelo mundo, não pela fama, não pelos respeitos humanos: assim ensinou Nosso Senhor. Na defesa de Deus e do homem, não devemos temer as perseguições e a impopularidade: se Cristo foi impopular junto aos seus a ponto de o matarem, que farão a nós? Queremos elogios?

Contra a omissão e a vergonhosa neutralidade diante da injustiça, Bento XVI profere palavra de apoio aos Bispos como D. Luiz Gonzaga Bergonzini e D. Beni: não devemos temer o mundo se estamos com Cristo.
Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambigüidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo» (ibidem, 82), diz o Papa.
Bento XVI conclamou ainda à educação dos leigos na Doutrina Social da Igreja - não Teologia da Libertação! - e defendeu a educação religiosa nas escolas públicas. Poder-se-ia até dizer que o Papa fez uma defesa da Concordata do Brasil com a Santa Sé, que, como sabemos e foi amplamente noticiado, foi ameaçada pelo Presidente se os Bispos não parassem de se opor à candidatura oficialista.

Sua Santidade fez a defesa dos símbolos religiosos na vida pública: já dissera que Deus não pode ser excluído e relegado à vida privada; agora vem dizer-nos que os símbolos de Deus também não o podem. Deus não pode ser tirado do Preâmbulo da Constituição, o Cristo Redentor não pode ser demolido. A presença de Deus na vida pública é lembrança de nossa responsabilidade moral uns para com os outros diante de qualquer injustiça: tudo que fazemos está diante dos olhos do Supremo Juiz. Outrossim, como relembra o Papa, no caso do Brasil a religião católica é parte integrante da cultura e da história; nossas raízes cristãs, que nos fundaram e fundamentam-nos, não podem simplesmente ser apagadas como se nunca tivesse existido. O Estado é laico, mas não é ateu e o povo é religioso, em sua maior parte, católicos.

Quase se diria que o Papa fez um Syllabus contra o PNDH-3!

Sobre a responsabilidade moral do católico no momento que se aproxima, Bento XVI exorta: o católico não pode usar de seu voto para colaborar com projetos políticos contrários à dignidade do homem; já denunciou o Papa que todo projeto político que não tenha compromisso com a vida é traiçoeiro desde o princípio. O católico, pois, em sua ação política - não somente com seu voto, que é apenas parte dessa ação -, deve trabalhar por um projeto político comprometido com os valores cristãos, com a dignidade do homem e com os direitos de Deus e da Igreja, em prol do bem comum; lembra também o dever dos Bispos de alertar os fiéis quanto a isso (e agora, Dom Demétrio Valentini?):
Isto significa também que em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).
Por fim, o Pastor Angélico confiou o Brasil à Mãe de Deus e Nossa, a Virgem Aparecida, Rainha desta Terra de Santa Cruz. Quiçá já tenha chegado ao Papa a notícia da Campanha Salvem o Brasil, para que goze das bênçãos do Supremo Pastor!

O discurso de Bento XVI é um alento encorajador a todos quanto lutam contra a iniqüidade e pela restauração da Civilização Cristã nesta Terra de Santa Cruz. Que, encorajados pelo Pontífice, possamos seguir em frente! E o Papa ainda deu uma bênção apostólica "todos os homens de boa vontade em defesa dos valores da vida humana e da sua transcendência". Se lutamos pela vida, nos incluímos entre os destinatários. Deus seja louvado!

Segue a íntegra do discurso de Sua Santidade.

Amados Irmãos no Episcopado,

«Para vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo» (2 Cor 1, 2). Desejo antes de mais nada agradecer a Deus pelo vosso zelo e dedicação a Cristo e à sua Igreja que cresce no Regional Nordeste 5 [cinco]. Nos nossos encontros, pude ouvir, de viva voz, alguns dos problemas de caráter religioso e pastoral, além de humano e social, com que deveis medir-vos diariamente. O quadro geral tem as suas sombras, mas tem também sinais de esperança, como Dom Xavier Gilles acaba de referir na saudação que me dirigiu, dando livre curso aos sentimentos de todos vós e do vosso povo.
 

Como sabeis, nos sucessivos encontros com os diversos Regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, tenho sublinhado diferentes âmbitos e respectivos agentes do multiforme serviço evangelizador e pastoral da Igreja na vossa grande Nação; hoje, gostaria de falar-vos de como a Igreja, na sua missão de fecundar e fermentar a sociedade humana com o Evangelho, ensina ao homem a sua dignidade de filho de Deus e a sua vocação à união com todos os homens, das quais decorrem as exigências da justiça e da paz social, conforme à sabedoria divina.
 

Entretanto, o dever imediato de trabalhar por uma ordem social justa é próprio dos fiéis leigos, que, como cidadãos livres e responsáveis, se empenham em contribuir para a reta configuração da vida social, no respeito da sua legítima autonomia e da ordem moral natural (cf. Deus caritas est, 29). O vosso dever como Bispos junto com o vosso clero é mediato, enquanto vos compete contribuir para a purificação da razão e o despertar das forças morais necessárias para a construção de uma sociedade justa e fraterna. Quando, porém, os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem, os pastores têm o grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas (cf. GS, 76).
 

Ao formular esses juízos, os pastores devem levar em conta o valor absoluto daqueles preceitos morais negativos que declaram moralmente inaceitável a escolha de uma determinada ação intrinsecamente incompatível com a dignidade da pessoa; tal escolha não pode ser resgatada pela bondade de qualquer fim, intenção, conseqüência ou circunstância. Portanto, seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à vida desde a concepção até à morte natural (cf. Christifideles laici, 38). Além disso no quadro do empenho pelos mais fracos e os mais indefesos, quem é mais inerme que um nascituro ou um doente em estado vegetativo ou terminal? Quando os projetos políticos contemplam, aberta ou veladamente, a descriminalização do aborto ou da eutanásia, o ideal democrático - que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana - é atraiçoado nas suas bases (cf. Evangelium vita, 74). Portanto, caros Irmãos no episcopado, ao defender a vida não devemos temer a oposição e a impopularidade, recusando qualquer compromisso e ambigüidade que nos conformem com a mentalidade deste mundo» (ibidem, 82).
 

Além disso, para melhor ajudar os leigos a viverem o seu empenho cristão e sócio-político de um modo unitário e coerente, é «necessária — como vos disse em Aparecida — uma catequese social e uma adequada formação na doutrina social da Igreja, sendo muito útil para isso o "Compêndio da Doutrina Social da Igreja"» (Discurso inaugural da V conferência Geral do Episcopado Latino Americano e do Caribe, 3). Isto significa também que em determinadas ocasiões, os pastores devem mesmo lembrar a todos os cidadãos o direito, que é também um dever, de usar livremente o próprio voto para a promoção do bem comum (cf. GS, 75).
 

Neste ponto, política e fé se tocam. A fé tem, sem dúvida, a sua natureza específica de encontro com o Deus vivo que abre novos horizontes muito para além do âmbito próprio da razão. «Com efeito, sem a correção oferecida pela religião até a razão pode tornar-se vítima de ambigüidades, como acontece quando ela é manipulada pela ideologia, ou então aplicada de uma maneira parcial, sem ter em consideração plenamente a dignidade da pessoa humana» (Viagem Apostólica ao Reino Unido, Encontro com as autoridades civis, 17-IX-2010).
 

Só respeitando, promovendo e ensinando incansavelmente a natureza transcendente da pessoa humana é que uma sociedade pode ser construída. Assim, Deus deve «encontrar lugar também na esfera pública, nomeadamente nas dimensões cultural, social, econômica e particularmente política» (Caritas in veritate, 56). Por isso, amados Irmãos, uno a minha voz à vossa num vivo apelo a favor da educação religiosa, e mais concretamente do ensino confessional e plural da religião, na escola pública do Estado.
 

Queria ainda recordar que a presença de símbolos religiosos na vida pública é ao mesmo tempo lembrança da transcendência do homem e garantia do seu respeito. Eles têm um valor particular, no caso do Brasil, em que a religião católica é parte integral da sua história. Como não pensar neste momento na imagem de Jesus Cristo com os braços estendidos sobre a baia da Guanabara que representa a hospitalidade e o amor com que o Brasil sempre soube abrir seus braços a homens e mulheres perseguidos e necessitados provenientes de todo o mundo? Foi nessa presença de Jesus na vida brasileira, que eles se integraram harmonicamente na sociedade, contribuindo ao enriquecimento da cultura, ao crescimento econômico e ao espírito de solidariedade e liberdade
 

Amados Irmãos, confio à Mãe de Deus e nossa, invocada no Brasil sob o título de Nossa Senhora Aparecida, estes anseios da Igreja Católica na Terra de Santa Cruz e de todos os homens de boa vontade em defesa dos valores da vida humana e da sua transcendência, junto com as alegrias e esperanças, as tristezas e angústias dos homens e mulheres da província eclesiástica do Maranhão. A todos coloco sob a Sua materna proteção, e a vós e ao vosso povo concedo a minha Benção Apostólica.

sábado, 23 de outubro de 2010

A Igreja amordaçada pelo PT - Padre Paulo Ricardo

Mais um corajoso pronunciamento do Pe. Paulo Ricardo. Assistam e divulguem! En Garde, soldat!


www.salvemobrasil.com

Nossa Senhora Aparecida, livrai o Brasil do flagelo do Comunismo!

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Site Petista convoca para combater a Igreja como "já foi traçado pelo companheiro Hugo Chávez"

Acabo de receber por e-mail - e o Reinaldo Azevedo já comentou em seu Blog - o texto de um Blog petista conclamando ao combate aberto contra a Igreja visando a seu controle pelo Estado. O Blog PT 20 anos no Poder manifesta seu descontentamento com um certo "comando moderado" e diz que é preciso excitar ainda mais a luta contra a Igreja Católica para que ela seja controlada; não esconde sequer que o objetivo é fazer aqui o que Hugo Chávez fez na Venezuela: submeter a Igreja ao Estado.

Transcrevo o texto - assustador... - abaixo [em vermelho], com comentários meus em seguida [em azul]. Ao fim disponibilizo o print da página, antes que tirem do ar. ;)

Esclareço que não sei de quem é o texto (até o momento, anônimo, como podem conferir na própria página). Está em Blog petista. Só sei que sua autoria deveria ser apurada, pois é de uma afronta tremenda aos princípios e valores de nossa nação.

Atualização - 19/10, 19:03: Segundo notícia de Último Segundo, o PT pediu a investigação da autoria do texto e diz que o Blog em questão não é vinculado ao Partido. Vamos ver no que vai dar... De todo modo, as idéias existem e estão circulando.

A igreja é contra o PT, vamos combatê-la!

O PT não pode se calar diante da onda de calúnias que tem surgido contra a candidatura de Dilma Rousseff nestas eleições.

A direita reacionária usa aquela mesma parcela da Igreja Católica que apoiou o golpe de 64 para espalhar boatos sobre as posições do nosso partido e de nossa candidata. Não iremos nos calar diante de calúnias ditas por padres suspeitos de servir a interesses escusos de nossos adversários.
Com um texto como esse, tão repleto de ódio religioso, não dá para entender porque ainda falam que há "calúnias"...

A história dos "boatos" sobre o aborto já está passada. É amplamente comprovado que não é "boato", mas  FATO. Basta uma conferida com a ferramenta de busca do Blog En Garde para encontrar-se diversas provas. O Youtube está cheio delas também, como essa aqui: http://www.youtube.com/watch?v=4cJZZzWysN4
Além disso, será que não entendem que os católicos têm vida própria? Que a Igreja Católica tem uma doutrina bimilenar contra o aborto (desde a Didaché, um dos primeiros catecismos, do século I) e não depende do PSDB (que nem de direita é) nem de "direita reacionária" alguma para sustentar isso?
Precisamos salvar o Brasil do atraso, e fazer a defesa enfática de um Estado laico, que só será possível com a eleição de Dilma Rousseff. 
Por que o Estado laico só será possível, na visão do texto, com a eleição de Dilma Rousseff? Vocês entenderão na próxima frase...
A Igreja é que deve se submeter ao Estado, e não o contrário. Este caminho já foi traçado pelo companheiro Hugo Chávez na Venezuela: depois de sofrer uma campanha sórdida como a que estamos sofrendo agora, decretou a laicidade do Estado, e agora é o governo venezuelano que controla sua própria Igreja.
"Estado laico" para eles não é um Estado sem religião, mas um Estado que crie uma religião estatal oficial sua. Na Coréia do Norte os líderes ditadores são idolatrados, com direito a templos e estátuas gigantescas; Stálin fazia o mesmo na URSS. O culto da personalidade - que Lula já está conseguindo criar aqui no Brasil; a Revista Época tratou do tema num número recente, analisando o interior de Pernambuco - é essencial ao banimento da religião verdadeira pelos Estados Comunistas e sua substituição, não por um regime ateu, mas por um regime idólatra do Partido e dos ditadores no poder.
Obviamente que isso passa pelo controle estatal das religiões tradicionalmente existentes na nação. O texto não esconde o desejo de ver a Igreja submetida ao Estado segundo um caminho traçado "pelo companheiro Hugo Chávez na Venezuela", onde "é o governo venezuelano que controla sua própria Igreja".
Resta saber se os brasileiros - e falo aqui especialmente aos católicos brasileiros - desejam para si este modelo ofensivo à liberdade religiosa proposta pelo texto em questão, modelo que, segundo o mesmo texto - o texto diz, não sou eu! - só surgirá com a eleição de Dilma Rouseff...
O PT já está processando a Diocese de Guarulhos (SP) por conta da tentativa de interferir no processo eleitoral, mandando imprimir panfletos que denigrem nosso partido e nossa candidata. Não podemos permitir esse tipo de abuso, e faremos o combate de todas as maneiras possíveis. Precisamos continuar pressionando o comando do partido, dito moderado, para que continue defedendo os valores que historicamente são bandeiras do PT.
Humm... Então um certo "comando moderado" arrefeceu na defesa destes tais "valores que historicamente são bandeiras do PT" e agora precisa ser pressionado para voltar à orientação inicial?
Estarão se referindo à carta de Dilma aos cristãos, onde a candidata  [às vésperas da eleição] volta atrás numa série de compromissos históricos do PT?
Então quais são estas bandeiras históricas do PT, que o "comando moderado" precisa ser pressionado a retomar? Respondo: o aborto, a mordaça gay, a união de homossexuais, o cerceamento da imprensa e das liberdades religiosas, o cerceamento do direito de propriedade, etc... As bandeiras do PNDH-3, em resumo. 
Mas como o "comando moderado" voltará a promover estas bandeiras históricas do PT, sem esbarrar na pressão dos cristãos brasileiros, do outro lado?
O texto mesmo responde (é o texto que diz, não eu:) é preciso fazer "o combate [da Igreja] de todas as maneiras possíveis". Ou seja, o texto conclama os companheiros a combaterem o Cristianismo para que o comando do PT possa sentir-se confortável para continuar defendendo suas históricas bandeiras e realizando a Revolução...
O texto fala ainda que o PT já está processando a Diocese de Guarulhos pelos panfletos que são uma nota da CNBB, uma nota pastoral, e não uma "propaganda eleitoral".
Como eu disse dias atrás, o cerceamento da liberdade religiosa no Brasil já começou. Agora até uma nota de viés pastoral precisa passar pelo crivo do Estado, que dirá se ela é só pastoral ou não...
É FATO.
D. Luiz Gonzaga Bergonzini que o diga...
Nós acreditamos na liberdade religiosa, desde que a fé não seja usado como instrumento de dominação da vontade do povo por parte do Vaticano, como vemos acontecer desde as Cruzadas. Pesquisem o histórico dos chamados sacerdotes que se opõem ao PT e tentam manipular a opinião pública contra nós. 
Vejam o conceito de liberdade religiosa exposto no texto: a Igreja deveria se submeter ao Estado, como dito mais atrás, mas a autoridade máxima dessa mesma Igreja não poderá exercer seu poder dentro de sua própria casa!
O texto se volta contra o Vaticano e a autoridade do Sumo Pontífice, exatamente como Chávez fez recentemente ao afirmar  blasfemamente que Sua Santidade não é o Vigário de Cristo.
E por qual motivo o texto conclama a pesquisar o histórico dos sacerdotes que lutam contra o PT? Estarão desejando intimidá-los com algum factóide? Fazer algum tipo de pressão psicológica ou moral sobre os sacerdotes? Não duvido de mais nada...
Estou até prevendo que daqui a uns dias alguém vai inventar algum escândalo - pedofilia é o tema preferido! - para desacreditar Bispos como D. Luiz Gonzaga Bergonzini e D. Aldo Pagotto. Se os inimigos da Igreja tentaram fazer isso com o Papa Bento XVI, quanto mais tentarão com seus subordinados!
Do jeito que as coisas estão andando atualmente, é só o que falta e eu não duvido de mais nada... =[
Está claro que D. Paulo já não tem mais a capacidade de liderar sua Igreja, e uma intervenção se mostra cada vez mais necessária. 
 Dom Paulo Evaristo Arns, o Bispo petista e Teólogo da Libertação, agora é visto como fraco e sem capacidade de levar a Igreja do Brasil a servir aos propósitos do comunismo, como foi feito por tantas décadas... Por que será? Talvez porque D. Paulo é um dos que hoje assina o Manifesto em Defesa da Democracia, contra o Governo do PT.
Mas um fato precisa de esclarecimento: de quem será a "intervenção" tão necessária?
Porque se o texto já disse que o Papa, autoridade máxima na Igreja, não terá mais voz dentro dela mesma, é de indagar-se de quem será esta "intervenção"...
Mas o próprio texto já resolvera a questão anteriormente: se a Igreja deve "estar submetida ao Estado", então essa "intervenção" dentro da Igreja é necessária por parte do Governo. Afinal, é o Governo que, nesta nova noção de "liberdade religiosa", passará a ser a autoridade máxima em religião, "segundo o caminho que já foi traçado pelo companheiro Hugo Chávez na Venezueal", onde "é o governo que controla a sua própria Igreja". 
Temos que agir para que lideranças progressistas, como Leonardo Boff, ganhem espaço na hierarquia católica. 
Então essa é a estratégia? Colocar alguém que praticamente já jogou a Igreja fora de sua vida na hierarquia dessa mesma Igreja?
Outra coisa: se na sociedade comunista tudo é igualitário, por que querem ainda usar esta "hierarquia"? Não será mais coerente destruí-la por completo? O futuro nos dirá...
Do que a Igreja Católica tem tanto medo? Será da nossa proposta de incluir padres na CPI da Pedofilia?
Disso não temos medo, não. Quem cometeu crimes tem que pagar por eles. 
Temos medo é que no Brasil se estabeleça um império da iniqüidade e do autoritarismo, onde as liberdades fundamentais do homem - decorrentes de sua própria dignidade - não sejam respeitadas e até sejam abolidas... 
Disso, sim, temos medo e por isso rezamos para que a Virgem Aparecida, Rainha desta Terra de Santa Cruz, livre o Brasil do flagelo do Comunismo. 
Este é o escopo da Campanha Salvem o Brasil: www.salvemobrasil.com 

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Dom Beni: Declaração sobre os panfletos do Apelo aos Brasileiros - 18 out. 2010

Divulguem em todo lugar!

O que dizem os panfletos da CNBB que o PT censurou?

Num atentado terrível contra as liberdades individuais e religiosas, o PT instituiu ontem, dia 17 de outubro de 2010, o delito de opinião: a partir de agora, quem fale contra o PT é um ideocriminoso e sua crimidéia será punida pela Polícia Federal, que agora faz as vezes de uma Gestapo, da Polícia do Pensamento da distopia orwelliana.

Ano passado, analisando 1984, de George Orwell, escrevi um artigo que ontem teve sua realização plena e concreta, saindo do mundo das idéias para o mundo real: estamos em 1984, não em 2010!

Mas quais são os panfletos que o PT censurou e apreendeu? O que dizem?

São a declaração dos Bispos da CNBB Sul 1, replicada aqui no En Garde no 1º Turno das eleições, o Apelo a todos os brasileiros e brasileiras, que faz um histórico das investidas pró-aborto do PT e pede, ao fim, que católicos não votem em abortistas.

Por que o PT forçou a apreensão destes panfletos e instituiu o crimidéia no Brasil ontem?

A relevância que a questão do aborto vem tomando assustou os petistas, que agora estão sendo postos pela população brasileira contra anos e anos de luta pela cultura da morte que Partidão carrega nas costas. A reação deles foi negar tudo com a maior cara de pau, numa hipocrisia de estarrecer quem possua um pouco de decência moral.

Pouco importa os diversos compromissos assumidos historicamente pelo PT: de repente quiseram transformar tudo em "boato"; Dilma virou uma santa pró-vida e o PT o partido que sempre lutou pela "vida em abundância". Cinismo dos piores.

O que o panfleto da CNBB Sul 1 faz? Enumera justamente os diversos fatos históricos que comprovam as ligações do PT com o abortismo, em escala nacional e internacional. A CNBB Sul 1 convidou ainda à leitura de um dossiê preparado pela sua Comissão em Defesa da Vida, com provas ainda mais fartas, frutos de uma investigação séria, que comprovam cabalmente o compromisso incondicional do PT com a descriminalização do aborto no Brasil.

Já imaginaram como seriam desmoralizados o Partidão e sua candidata, se os panfletos fossem distribuídos, comprovando para católicos de todo o país, por A mais B, que o PT é, historicamente, um Partido abortista? 

A CNBB Sul 1 tocou na ferida. O PT tinha que agir rápido para impedir os panfletos. E o único modo de agir rápido é justamente o que fizeram: blitz, Gestapo, censura e apreensão. Pronto. Calaram os Bispos, evitaram os panfletos.

Calaram? Evitaram?

Surge, agora com ainda mais vigor, a nossa responsabilidade moral de, como cristãos ou não, divulgarmos em todo lugar os panfletos que o PT quis censurar.

Para os cristãos esta responsabilidade é imediata, pois foram os Bispso de sua Igreja que foram afrontados por uma Partido totalitário e é a vida das crianças brasileiras que está em jogo se esse Partido, que além de totalitário é abortista, continuar com seu projeto de poder sobre nossa nação.

Mas esta responsabilidade moral também existe para os não-cristãos, homens de boa vontade. Isso porque o que foi realizado ontem foi um ato ditatorial, nos piores requintes de totalitarismo. Foi censura das mais escancaradas, com direito a Gestapo e tudo. Uma afronta à liberdade. Se os não-cristãos não quiserem viver num país sem liberdade, têm a responsabilidade moral de estarem ao lado dos cristãos censurados, divulgando para todo cantos os pnafletos que os ditadores quiseram esconder.

Por isso, seguem abaixo os panfletos para download. Quem puder, imprima. Quem não puder, divulgue este post para familiares, amigos, listas de discussão, outros Blogs.

Vamos dar nosso protesto contra a ditadura que se está planejando no Brasil, e que já fez sua primeira vítima: os Bispos que falaram contra o PT.

E olha que a Dilma ainda nem ganhou!

É esse o futuro que teremos? POIS NÃO É O QUE QUEREMOS.

Panfleto CNBB – Miolo (download)

Panfleto CNBB - Voto pró-vida (miolo)                                                            

Panfleto CNBB – Frente (download)

Panfleto CNBB - Voto pró-vida (frente)                                                            

Ataque dilmista à Gráfica Pana: exemplo cuspido e escarrado do PNDH-3 na prática

O que o PT e a candidatura de Dilma Rousseff fizeram hoje é um exemplo do que pretendem para o país. Não poderia haver uma síntese mais bem acabada, na prática, do que será o PNDH III quando entrar em vigor. O que tivemos no caso da perseguição aos bispos da CNBB Sul?

  • um ataque virulento contra a liberdade de expressão
  •  invasão da propriedade privada
  • constrangimento da livre iniciativa
  • substituição da Justiça por um "tribunal popular" formado por militantes e políticos do PT 
  • um partido político, o PT, agindo como uma milícia chavista 
  • confisco de bens privados em caminhões do Estado 
  • aparelhamento vergonhoso da Polícia Federal, colocada a serviço de um partido político
  • perseguição religiosa contra a Igreja Católica
Quem lê o PNDH III nas suas entrelinhas e reais intenções, não está surpreso. Tudo isto está lá. Tudo isto é Dilma Rousseff e o PT no poder. Que cada um faça a sua escolha e que avalie muito bem o fato ocorrido neste dia 17 de outubro de 2010. Ele pode ter marcado o fim da nossa frágil democracia.

Fonte: Blog Coturno Noturno.

domingo, 17 de outubro de 2010

Dom Benedito Beni vem em defesa dos panfletos - Viva à liberdade religiosa!

Bispo de Regional da CNBB defende divulgação de panfleto contra Dilma

‘Divulgação continua agora no segundo turno’, diz dom Benedito Beni. Bispo diz que distribuiu 10 mil panfletos em 31 paróquias de Lorena.

Robson Bonin Do G1, em Brasília

O vice-presidente do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Benedito Beni dos Santos, questionou neste domingo (17) a versão apresentada pelo presidente do regional, Dom Nelson Westrupp, segundo a qual o Regional Sul 1 não patrocina a impressão e a distribuição de folhetos a favor ou contra candidatos.

“O texto é legítimo e foi aprovado no dia 26 de agosto, em São Paulo. A comissão episcopal representativa do Regional Sul 1, que engloba diversos bispos, fez uma nota no dia 26 de agosto, pedindo que esse apelo aos brasileiros e brasileiras tivesse ampla divulgação e isso ficou a critério de cada bispo. A divulgação começou a ser feita antes do primeiro turno e continua agora, antes do segundo turno. De modo que é um documento legítimo assinado pela presidência do Regional Sul 1 em nome do conselho episcopal”, disse ao G1 dom Benedito Beni dos Santos, que é bispo diocesano de Lorena (SP).

Neste sábado, uma gráfica no bairro do Cambuci, em São Paulo, informou que imprimiu 2,1 milhões de folhetos com o texto intitulado "Apelo a todos os brasileiros e brasileiras", assinado pela Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB.

Dom Benedito dos Santos confirmou que o panfleto foi distribuído pela comissão. “Recebemos diretamente da Comissão em Defesa da Vida”, disse. A área de abrangência do Regional Sul 1 da CNBB compreende todo o estado de São Paulo.

O texto relaciona o PT e a presidenciável Dilma Rousseff à defesa da legalização do aborto e recomenda "encarecidamente a todos os cidadãos brasileiros e brasileiras" que, "nas próximas eleições, deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalização do aborto".

No sábado (16), o PT registrou boletim de ocorrência na polícia e fez uma representação à Justiça Eleitoral. Neste domingo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ordenou à Polícia Federal a apreensão dos panfletos na gráfica.

Na nota divulgada neste domingo, o presidente do Regional Sul 1, Dom Nelson Westrupp, e demais bispos afirmaram que "não indicam nem vetam candidatos ou partidos e respeitam a decisão livre e autônoma de cada eleitor".

'Ampla difusão do documento'
 
Para dom Benedito Beni dos Santos, um dos integrantes da Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, que assina o documento "Apelo a todos os brasileiros e brasileiras", distribuídos em igrejas católicas, a nota deste domingo contraria a decisão de “dar ampla difusão do documento”.

“Em nota do dia 26 de agosto, a presidência e a comissão representativa dos bispos do Regional Sul 1 da CNBB, em sua reunião ordinária, acolheram e recomendaram a ampla difusão do ‘Apelo a todos os brasileiros e brasileiras’. Assina a nota o presidente do Conselho Episcopal dom Nelson Westrupp. Então, causou a mim estranheza que essa nota tão clara seja agora, de certo modo, considerada como não autêntica”, disse dom Benedito dos Santos.

O bispo diocesano de Lorena diz que ficou “a critério de cada bispo” do Regional Sul 1 a divulgação do documento em forma de panfleto.

Apenas em Lorena, segundo ele, foram distribuídos 10 mil panfletos nas 31 paróquias da diocese. “Distribuímos para 31 paróquias da diocese e continuamos distribuindo no segundo turno. Estamos sendo fiéis ao que o representativo do Regional 1 pediu”, justificou.

O bispo chama de “oportunismo eleitoral” a carta apresentada pela candidata do PT na qual afirma ser contra o aborto e explica a orientação repassada aos fiéis.

“O documento cita o nome dela [Dilma] como aquela que aprovou o 3º Programa de Direitos Humanos do Governo. A nota não aconselha a votar nela. É uma recomendação de não votar no Partido dos Trabalhadores e em todos os candidatos favoráveis ao aborto”, declarou. 
 
Fonte: G1.

A perseguição religiosa no Brasil a passos largos... e o PT é o algoz!

Lula apareceu dia destes no programa da Dilma dizendo que "governou o Brasil e o resultado foi mais liberdade religiosa". A hipocrisia do Presidente é de doer nos ossos. Aliás, se há uma marca registrada para o PT é este vício horrível dos fariseus; que o diga a Carta da Dilma aos cristãos, se fazendo agora da maior santa pró-vida que esta nação já viu. George Orwell se orgulharia de ver acontecendo no Brasil exatamente aquela reescritura da história promovida pelo Partido, que descreveu com maestria em 1984 (leiam meu artigo a respeito AQUI).

Num país em que Lula diz que "há mais liberdade religiosa", a PF não deveria ser vergonhosamente utilizada como uma Gestapo para apreensão dos panfletos que a CNBB Sul 1 produziu contra a Dilma e o PT. Não bastou utilizar o órgão como Polícia política para investigar quem estava distribuindo panfletos contra o PNDH-3, agora o PT usa a PF para apreender panfletos dos Bispos que orientam seus fiéis a não votarem no Partido do aborto. De uma cajadada só o PT coloca no lixo os princípios da impessoalidade da Administração Pública e os direitos fundamentais à liberdade de expressão, à liberdade religiosa e de convicção polítco-filosófica...

Num país sério, a candidatura do PT estaria sendo derrubada LEGALMENTE nesse exato momento. Mas o Brasil não é um país sério: a Venezuela é aqui e o PT já é o próprio Estado!

Ver uma milícia de índole chavista constrangendo o dono da gráfica que produzia os panfletos é a coroação do fim da liberdade de expressão neste país. O vídeo está aqui. É asqueroso perceber a que ponto as coisas chegaram...

Os Bispos estão sendo calados. Fala-se que estão sofrendo ameaças de morte. Dom Luíz Gonzaga Bergonzini, o corajoso Pastor que levantou sua voz em primeiro lugar contra esta barbárie em curso no Brasil, denunciou: "Recebi uma carta anônima com velada ameaça à minha vida, que já está nas mãos da polícia". Está aqui, na notícia do Estadão, no final.

CNBB censurada, perseguida. Esta é a liberdade religiosa que o Lula fala existir tanto no Brasil? É esta a liberdade de expressão em nosso país?

Tempos negros para os cristãos brasileiros! Rezemos, caríssimos. A Campanha de Oração pela Salvação do Brasil está aí. Nos apeguemos à Virgem, Refúgio dos Pecadores: somente seu amor maternal nos livrará neste momento do monstro comunista, o Dragão Vermelho do Apocalipse.

Rezemos!!!

Em tempo, divulgo aqui um selo de protesto contra esta censura chavista à CNBB, contar esta perseguição religiosa desvairada e totalitária. Ponham em seus Blogs!

https://mail.google.com/mail/?ui=2&ik=81299e75ab&view=att&th=12bbb045ca4e7d72&attid=0.1&disp=inline&realattid=f_gfe4onsg0&zw

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Padre Paulo Ricardo em Defesa da Vida, sobre o PT e o Aborto - "Contra fatos, não há argumentos"

Segue abaixo talvez um dos melhores vídeos já elaborados até agora sobre a ligação intrínseca entre o PT e o Aborto.

Padre Paulo Ricardo, conhecido por sua coragem e fidelidade ao Evangelho, denuncia com todas as letras o abortismo petista e rebate as principais acusações dos comunistas contra o pronunciamento da Igreja nessa Campanha.

Vejam os vídeos e divulguem para seus familiares e amigos. São essenciais.

E neste dia de Nossa Senhora Aparecida, rezemos ainda com mais vigor à Rainha do Brasil, para que nos livre do flagelo do aborto e do comunismo.

Lembro que a Campanha de Oração pela Salvação do Brasil - 2º Turno, está correndo desde o dia 11.

Nossa Senhora Aparecida, livrai o Brasil do flagelo do comunismo!


segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pe. Léo fala sobre Lula

Será que o Chalita, que se diz "filho do Pe. Léo", já ouviu estas corajosas palavras do Padre? E que se dirá da Canção Nova? Estas palavras foram ditas lá... Teria sido o Pe. Léo censurado como foi o Pe. José Augusto?

Escutem. Um corajoso grito, que ainda hoje tem seu valor - talvez mais do que nunca.

domingo, 10 de outubro de 2010

Dom Aldo Pagotto - Mais um corajoso brado contra o comuno-abortismo petista

"Ficar em cima do muro é péssimo, é desonesto, não é coisa nem de homem"
Dom Aldo Pagotto

Em mais um pronunciamento episcopal nestas eleições, Dom Aldo Pagotto, Arcebispo da Paraíba, denuncia corajosamente o abortismo petista. O PT e Dilma Roussef hoje querem fazer valer a historieta de que o seu abortismo é boato, ignorando o PNDH-3 deles, os diversos projetos de lei e e resoluções pró-aborto do PT e as próprias declarações - tão numerosas! - de Dilma Rousseff e de lideranças petistas em favor da descriminalização total do aborto no Brasil.

Um viva a meu Arcebispo, Dom Aldo Pagotto, pela sua coragem - tantas vezes demosntrada -  em proclamar a verdade nesse momento crítico pelo qual passa nosso país.

Deus o proteja, Dom Aldo!

Divulguem o pronunciamento de Sua Excelência para sua família e amigos, ajudando a proclamar a Verdade e a denunciar o abortismo do PT.

sábado, 9 de outubro de 2010

Pastor Silas Malafaia fala o que tem que falar!

Excelente intervenção do Pastor Silmas Malafaia. Indico que assistam. Os argumentos a utilizar-se pelos católicos são estes mesmos. Congratulações ao Pastor Silas. =)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Lula ameaça os Bispos e o Vaticano - A perseguição religiosa começou...

Estou gostando destas Eleições porque elas estão ratificando tudo que eu sempre dizia e, quando o fazia, era chamado de louco e teórico da conspiração. Agora está o Lula fazendo exatamente aquilo contra o que eu advertia e quem me chamou de doido viu que eles, sim, é que eram, na verdade, uns bobos...

Lula já ameaçou a imprensa, confirmando o que eu sempre disse: o Partido Totalitário não gosta da liberdade de expressão.

Agora o Lula confirma outra coisa que sempre disse: comunista não gosta de religião; são ateus laicistas por essência.

O que Lula queria? Que os Bispos e padres se calassem e dissessem "sim, senhor" a ele e aos propósitos abortistas do seu Partido? Lula queria que os Bispos e padres dissessem "não" a Cristo e cultuassem a ele, é isso?

Sim, é isso mesmo que Lula queria. Para quem diz que "está mais chagado que Jesus Cristo", não estranha que queira também ser mais cultuado que Nosso Senhor...

Vários Bispso e padres do Brasil têm se rebelado contra o abortismo do PT, o que levou a camapnha lulo-petista a uma flagrante derrota no 1º Turno das Eleições. 

Lula, irado, agora quer calar os Bispos. Parte para as ameaças. Está ameaçando revisar o acordo feito com a Santa Sé ano passado se os Bispos não pararem de denunciarem o abortismo de Dilma e do PT...

Será que Lula não entende que o acordo com a Santa Sé foi um acordo entre Estados, com perfil jurídico internacional, e não um acordo com um Partido, com o PT? Não, Lula não entende. E por quê? Simples: os comunistas confundem o Estado com o Partido. É parte fundamental de sua ideologia esta confusão; é isso que lhes permite, por exemplo, condenar por traição à pátria quem não concorde com o Partido, exatamente como se fazia na URSS e como Lula quer fazer agora com os Bispos.

E começa a perseguição religiosa no Brasil. Que Deus nos proteja.

E um recado a nossos Bispos: não cedam! Estamso convosco, Pastores, em oração e atitudes. Estamos convosco! Importa servir antes a Deus que aos homens, disse São Pedro. E Nosso Senhor advertiu que seríamos levados aos tribunais por causa de Seu Nome. Não temamos! Temos Cristo, temos tudo.

Nossa Senhora Aparecida, livrai o Brasil do flagelo do comunismo!

Lula ameaça revisar acordo com o Vaticano por questionamentos a Dilma

.- A agência italiana ANSA informou que o secretário pessoal do Presidente Luiz Lula Da Silva, Gilberto Carvalho, disse à cúpula da Igreja que se continuarem os questionamentos contra a candidata Dilma Rousseff –devido à sua postura favorável ao aborto– poderia ser revisado o acordo assinado com o Vaticano.

ANSA, que recolhe uma notícia do jornal Valor Econômico, assinalou que Carvalho se reuniu com membros da Conferência Nacional de Bispos do Brasil e comunicou que o governo pode voltar a discutir o acordo que contempla o apoio a escolas católicas e outros benefícios.
Lula revisaria o acordo assinado por Lula e o Papa Bento XVI em 2007 no Brasil, e ratificado em 2009 no Vaticano, depois do qual foi aprovado pelo Congresso, onde foi questionado por congressistas evangélicos.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

2º Turno da Campanha de Oração pela Salvação do Brasil

As Eleições foram para o 2º Turno e a Campanha de Oração pela Salvação do Brasil também vai.

Foi visível o efeito de nossas orações na Eleição. Desde que começamos a rezar, as pesquisas só mostraram queda da candidata comunista e abortista do PT além de que o próprio Presidente Lula deixou de lado o disfarce e mostrou a face nua e crua de seu stalinismo em diversas declarações. Apesar da Campanha de Oração ter tido este efeito direto sobre a candidatura oficial comunista, esta é uma Campanha contra o comunismo, genericamente, venha de onde vier: rezamos pela libertação do Brasil do comunismo, quem quer que seja o comunista, apesar de ser o PT quem mais expressa a face do comunismo no Brasil atual. Mas a Campanha é contra os comunistas abertos e também contra os disfarçados.

De fato, Deus veio em nosso socorro. A questão do aborto é agora pauta no noticiário e foi ela quem levou a Eleição para o 2º Turno: a vida humana tem a relevância que deve ter e os brasileiros dão, com o voto, um grito contra o abortismo.

Mas a Virgem em Fátima e em Pernambuco pediu para rezarmos perseverantemente. Não devemos crer que um 2º Turno ou uma vitória eleitoral sejam o fim do comunismo no Brasil: os comunistas têm uma militância aguerrida, têm universidades, sindicatos, empresários, banqueiros, poder político e econômico, domínio cultural, até padres; têm a maior organização política da América Latina, o Foro de São Paulo. Não devemos nos iludir crendo que as Eleições sejam o único campo de batalha contra o comunismo: é o menor deles.

O nosso campo de batalha real contra esta ideologia antricristã é a vida cotidiana: é a recuperação das universidades para Cristo, dos trabalhadores, dos empresários, das paróquias (quantas há infectadas pela Teologia da Libertação!) e de tudo o mais que no Brasil hoje esteja manchado pelo marxismo ateu. Eis uma grande guerra, que não se resume às Eleições! Na verdade, as Eleições são o menor dos campos: é no dia-a-dia, na vida, nas praças, nas famílias, no trabalho... que batalhamos realmente por Cristo e contra Marx e Satanás, seu patrão.

A Campanha de Oração terá seu 2º Turno, como as Eleições. Não porque esperamos que  apenas das Eleições venha toda a vitória (seria ingenuidade), mas porque o momento é simbólico e porque sabemos que de nossas orações virá o milagre que esperamos.

Rezemos! Rezemos! Rezemos!

Atendamos ao pedido da Virgem em Pernambuco! Rezemos o Terço e ofereçamos novamente 1000 Ave-Maria's pela Salvação do Brasil, rezando o Terço durante os 20 dias anteriores ao pleito.

E mais que isso, trabalhemos realmente na nossa vida cotidiana. Estudemos as Encíclicas e a Doutrina da Igreja; combatamos o abortismo e o comunismo em todo lugar e a todo momento; retomemos para Cristo os sindicatos, as repartições públicas, as universidades, os centros de poder político e econômico: para Cristo, tudo para Cristo, não para nós ou para Marx!

Esta guerra poderá durar muitos anos, poderá ser um projeto a longo prazo... ou não, dependendo do fervor de nossas orações, de nossa devoção aos Sagrados Corações de Jesus e Maria, que façam Nosso Senhor se debruçar em Misericórdia sobre nós.

Rezemos! Rezemos! Rezemos o Terço!

A Campanha reinicia dia 11 de Outubro, a 20 dias do 2º Turno das Eleições!

Repliquem em seus Blogs e Listas, como da primeira vez.

Rezemos o Terço, peçamos Misericórdia a Deus e vençamos os inimigos de Cristo nesta Terra de Santa Cruz!

Nossa Senhora Aparecida, livrai o Brasil do flagelo do Comunismo!

Boicote à Canção Nova, já!

Comentário inicial: Eu apóio abertamente um boicote à Canção Nova. Já chegaram ao limite do suportável. A Canção Nova entrará para a história como uma comunidade [que se diz] católica vendida ao poder político: Pedro disse que importa antes servir a Deus que aos homens; a Canção Nova, ao contrário, dá mostras claras de que, em sua concepção, o conselho petrino é inválido, de que se deve servir aos homens primeiramente, Deus é secundário. 

O que justifica, senão isso, a omissão vergonhosa e covarde da Canção Nova no momento recente, em que a Igreja, o Brasil, o ser humano precisa que o católica levante sua voz contra a iniqüidade de César? O que justifica, senão isso, que a Canção Nova dê apoio  e permita que um dos seus - o Sr. Gabriel Chalita -, como lobo em pele de cordeiro, se associe aos piores inimigos de Cristo e faça política para eles, gente da estirpe da abortista comunista da Dilma Rousseff e da gayzista da Marta Suplicy? É com esse tipo de pessoa, que cospe na Cruz de Nosso Senhor, que a Canção Nova quer andar? 
 
Os primeiros cristãos não se omitiram. Preferiram o martírio à cumplicidade mórbida com o Maligno. A Canção Nova prefere a neutralidade dos tolos, o conluio de omissão com o Mal. A Canção Nova entrará para a História da Igreja Católica no Brasil como a comunidade dona do maior meio de comunicação católico do país, mas omissa no momento mais crítico, quando hordas de bárbaros comunistas, ateus, abortistas, inimigos de Cristo avançam sobre a Terra de Santa Cruz. A história da Canção Nova estará para sempre manchada com duas palavras: omissão e cumplicidade.

Hoje o Pe. José Augusto toma coragem e fala o que já deveria ter sido dito a muito tempo. A Canção Nova imediatamente toma atitude, deixa de ser omissa: não, ela não defende o Padre, ela não defende a vida e o Cristianismo; ao contrário, vem a público desautorizar o Padre e afirmar que "acolhe a todos" (até mesmo os abortistas do PT, então, flagrantes inimigos de Cristo...). Uma releitura do Evangelho, das Encíclicas e até mesmo do livro de Mons. Jonas Abib, "Sim, Sim, Não Não", deveria servir para relembrar à Canção Nova que, para o cristão, em questões como as que o Padre José Augusto tratou, não há meio termo: o sim é sim, o não é não.

Conclamo, pois, ao boicote à Canção Nova. Vamos criar a Campanha "Juntos Somos MENOS", em oposição à Campanha de arrecadação de doações da Canção Nova. O católico não pode se comprometer e colaborar materialmente com uma comunidade que se diz católica e que cala aqueles que proclamam a verdade, para assumir uma posição de neutralidade covarde e cúmplice, contrária ao preceito evangélico do "Sim, Sim, Não, Não". NÃO CONTRIBUAMOS MATERIALMENTE COM A CANÇÃO NOVA. NÃO CONTRIBUAMOS COM A COVARDIA DIANTE DO MAL.

A Canção Nova precisa saber que os católicos são católicos, não são uns covardes mornos e cúmplices, pois sabemos o destino destes... Nosso Senhor o disse:
Conheço as tuas obras: não és nem frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te de minha boca (Apocalipse III, 15-16).
 Segue o texto do Deus lo vult. Repliquem em todo canto que puderem e enviem a seus amigos.

Boicote à Canção Nova, já!

Chega de sermos católicos mornos, frios e medrosos! [...] Como é que nós ficamos assim, como se nada tivesse acontecendo, numa boa, com medo de perder isso, medo de perder aquilo… que perca tudo! Nós só não podemos perder é Jesus Cristo nessa vida. E a nação brasileira tem que ser uma nação cujo Deus é o Senhor!
Impressionante a coragem do pe. José Augusto, na Canção Nova, afirmando claramente uma série de verdades que certos católicos estão empenhados em ocultar – para vergonha nossa. Vejam aqui a primeira parte do vídeo e aqui a segunda. Boas verdades – necessárias verdades! – que, finalmente, é um padre a falar em cadeia nacional. Nos alto-falantes da Canção Nova, enfim empregados com a seriedade que a situação atual exige.
Mas eu prefiro morrer com a verdade do que viver na mentira e depois ir pro inferno. [aplausos] Eu sei que é fácil para vocês baterem palmas. E depois se esconderem. E depois não se pronunciarem, e não se dizerem, com medo! Mas é fácil bater palmas.
Bravo, pe. José Augusto! Infelizmente, era bom demais para ser verdade, e não durou. Neste vídeo, onde é lida uma “nota oficial da Canção Nova”, o Mons. Jonas – custa-me acreditar que tenha sido realmente ele! – diz que “a Canção Nova não apóia candidatos ou partidos; acolhe a todos”. Não, mons. Jonas, não! “A todos”, não! A todos, o senhor não pode acolher, porque não pode acolher os inimigos de Cristo que atentam contra as leis de Deus, contra a vida humana inocente! Os inimigos devem ser combatidos, e não “acolhidos” – a menos que se convertam. “Acolher” os que militam ostensivamente contra Deus é trair a Cristo. A história já mostrou o bastante que, quem poupa o lobo, termina sacrificando as ovelhas.

Como se a desgraça não fosse já suficiente, foi também publicada esta nota da Fundação João Paulo II, “mantenedora do Sistema Canção Nova de Comunicação”, que desqualifica nominalmente o pe. José Augusto:
E, em especial, sobre o episódio desta manhã, 05 de outubro, não autorizamos o pronunciamento público do sacerdote Padre José Augusto Souza Moreira sobre o Partido dos Trabalhadores, bem como a opinião do mesmo representa tão somente seu pensamento, não sendo em hipótese alguma o pensamento da instituição.
Como assim, as palavras do padre José Augusto não são “em hipótese alguma o pensamento da instituição”?! O padre não falou senão sobre fatos públicos amplamente conhecidos e sobre a Doutrina Católica! Acaso o PT não é um partido favorável ao aborto? Acaso não estamos correndo o risco de que o PT ganhe as eleições do próximo dia 31 de outubro? Acaso não é verdade que os católicos não podem apoiar de nenhuma maneira candidatos nem partidos abortistas? Se estas coisas não são “em hipótese alguma o pensamento da instituição”, então a conclusão que se impera é que esta “instituição” não é católica. Outra tese não é possível de sustentar. E olhe que eu nem comentei, neste post, sobre o escândalo do sr. Gabriel Chalita apoiando escancaradamente a candidata abortista do Partido Abortista dos Trabalhadores

Chega. Já é demais. É necessário fazer um boicote expresso à Canção Nova, posto que a emissora, considerada enquanto instituição, está claramente mancomunada com Satanás e já não tem mais a coragem de anunciar o Evangelho. O sal já perdeu o sabor e, portanto, agora não serve senão para ser calcado aos pés dos homens. Os que colaboram financeiramente com a Canção Nova devem deixar de fazê-lo imediatamente, sob pena de cooperação material com uma farsa de catolicismo que não diz a Verdade e ainda persegue e desacredita os que têm a coragem de proclamá-la. Não podemos aceitar que se utilizem assim em vão do Nome de Deus, enganando o povo fiel e prestando tão grande desserviço à Igreja de Nosso Senhor.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Eis o futuro do Brasil


Eis o que nos espera ao final do mês. Eis os dois monstros, lado-a-lado: a face de ambos em desarmoniosa sintonia, em uma horrorosa complementaridade que, olhando o todo, faz lembrar o próprio Satanás [agradecimentos ao Carlos Ramalhete, na lista tradicao-catolica, pela foto e sua descrição].

Eis quem está disputando o cargo máximo da nossa Pátria! Como já era esperado, Alien vs. Predador, Satanás vs. Belzebu. Não sei se o responsável por esta foto – publicação original n’O Dia – tinha a intenção de pôr às claras o monstro parido do conluio entre o PT e o PSDB, mas ele o conseguiu perfeitamente. No Dia das Bruxas, será blasfemamente sacramentada a grande farsa de impôr ao povo brasileiro a opção por um dos dois lados da mesma face. Por um dos dois lados do rosto de Satanás.

Eis, portanto, evidente e com redobrada clareza, a premente necessidade de rezarmos e rezarmos e rezarmos mais pela salvação do Brasil. Na completa e absoluta ausência de perspectivas no horizonte, na total incapacidade de ações meramente humanas, precisamos confiar na Divina Providência e, de olhos elevados ao Céu, esperar que do Altíssimo nos venha a Salvação – contra todos os prognósticos e para além de qualquer coisa que podemos até mesmo imaginar. Das mãos da Virgem Santíssima, Senhora terrível ut castrorum acies ordinata, é que nos poderá vir o socorro neste momento terrível, no qual Satanás – com metade do rosto da Dilma e, a outra metade, do Serra – já se ri e zomba do povo brasileiro.

Rezemos! Esta aqui é a Terra de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. E o Dia das Bruxas é também a véspera da solenidade de Todos os Santos. Que todos os justos no Céu, diante do Trono do Altíssimo, possam interceder pelo Brasil. Que seja em nosso favor a Virgem Soberana; que Ela, com o Seu valor, possa nos livrar do inimigo que arremete furiosamente contra nós.


Comentário: Ia escrever um texto comentando esta foto aterrorizante - deu-me calafrios, sinceramente - quando vi que o Jorge já fizera este irretocável. Dilma e Serra: a estratégia das tesouras do PT e PSDB para ceifar a Contra-Revolução e garantir o monopólio político da Revolução (leiam Olavo de Carvalho, por favor!). Satanás e Belzebul, Alien vs. Predador. O Prof. Carlos Ramalhete falou algo muito certo estes dias, na Lista Tradição Católica, que transcreverei aqui integralmente:
O importante é que percebamos que devemos é confiar o país à Ssma. Virgem e fazer a nossa parte, não ficar fazendo campanha pelo Alien contra o Predador ou vice-versa.

Esta guerra não é natural, e não é lutando no plano natural que ela vai  ser vencida. A Dilma, o Serra e o Lula são como Saul, o benjaminita (tribo de estupradores odiosos), que Deus chamou de "um rei para eles" quando o mandou como punição aos hebreus. Quando depois Ele mandou Davi,  chamou-o de "um rei para mim". Nós estamos tendo nossos muitos pecados  como nação punidos com "reis para nós", e é pela oração e pela  santificação que poderemos um dia ter "um rei para Deus", não pelo "voto útil" ou outros rituais supersticiosos.


Quer votar, vota; quer evitar gato preto, evita; quer bater na madeira,  bate. Mas busque o confessionário, a oração, a penitência e a caridade, pedindo sempre à Ssma. Virgem que salve o Brasil.


No terço diante do Ssmo. que foi rezado hoje antes da Missa, foi rezado  o ato de reparação ao Sagrado Coração. Tenho certeza de que aquilo valeu  muito mais que uma tonelada de "santinhos" (ou "profaninhos"?) de  políticos e de dedos e mais dedos gastos digitando numerozinhos na máquina.
 
Rezemos, caríssimos. Rezemos!

Pois virão tempos difíceis para o Brasil, em punição por nossos muitos pecados. Rezemos e façamos penitência, para que em breve tenhamos "um rei para Deus", e não esta aberração que a montagem acima captou muito bem...